sexta-feira, 31 de maio de 2013

Amparo, ex-revolucionária e funcionária da ONU: «Meu trabalho era destruir a fé dos católicos».

Amparo, ex-revolucionária e funcionária da ONU: «Meu trabalho era destruir a fé dos católicos».




Após anos de trabalho para a ONU, ex-agente Amparo Medina, ex-revolucionária e funcionária da ONU denuncia estratégia da organização para minar a fé católica e implantar o aborto em todos os países do mundo.


Amparo entendeu claramente. Era a Virgem Maria quem lhe falava. Tudo aconteceu quando ela recebeu um disparo da polícia em plena batalha. Quando despertou no hospital, decidiu que sua vida devia mudar radicalmente.


Sua vida “lamacenta” devia dar uma guinada de 180 graus e deixar de lado o seu servilismo político e sua vida de pecado, e dedicar-se às mulheres e às crianças, buscando seu autêntico bem.


Um avô católico


Ela havia nascido em uma família muito normal do Equador. Sua fé era tradicional, de Missa dominical e pouco mais. A exceção da regra foi seu avô, que vivia uma autêntica vida cristã.


Em certa ocasião, sendo Amparo adolescente e a caminho do ateísmo, seu avô lhe disse umas palavras que não haveria de esquecer nunca. Estavam entrando em uma igreja, e diante de uma imagem da Virgem lhe disse: “Olhe para os seus olhos. Ela é a única que vai te salvar e a que vai te levar à fé”. A coisa parou por aí.


O resto foi uma queda livre: foi expulsa do colégio por brigar com uma freira, e um encontro com evangélicos acabou por arrematar seu caminho rebelde e ateu.


A revolução e as esquerdas


Eram os anos 70 e 80, e a oferta social que Amparo encontrou fora da Igreja era a dos movimentos revolucionários, a teologia da liberação marxista, Che Guevara, os movimentos feministas, abortistas, o indigenismo e esse grande etcétera. Ela se meteu de cabeça nisso tudo.


Se há algo que não se pode reprovar em Amparo é dizer que ela não foi uma pessoa coerente com os seus princípios. Ela tomou todas as bandeiras, as abraçou e se dedicou a elas. Ora a encontrávamos em uma confrontação armada ou em uma manifestação antigovernamental, ou ainda em uma campanha a favor dos direitos reprodutivos das mulheres, ou seja, promovendo os contraceptivos e o aborto.




Se radicaliza na Espanha


Como a situação política no Equador se complicou, seu pai a enviou à Espanha para estudar Pedagogia Social. Neste país ela obteve seu título universitário, porém, também sua radicalização política e o contato com outros movimentos revolucionários, ateus e anticlericais. Sua mentalidade feminista coincidia com a da ONU.


Já de volta ao Equador, sua visão feminista e de esquerda combinava perfeitamente bem com as políticas que a ONU levava a cabo na América Latina e, graças a ela e a sua formação, chegou a ser responsável no Equador do programa da UNFPA, isto é, do Fundo de População das Nações Unidas, de onde contava com todos os milhões de dólares que necessitasse para cumprir, ou melhor dizendo, impor os programas contrários à natalidade, a favor do aborto e da anticoncepção.


Meu trabalho: retirar a fé dos católicos


Amparo explicou na rede católica de televisão EWTN que “os grupos comunistas e socialistas sabem que a única instituição que pode romper as suas mentiras é a Igreja Católica. Então – confessou — a primeira coisa que buscam são argumentos que possam destruir a pouca fé que os católicos têm. Veja as notícias ou vá atrás desse sacerdote que não está vivendo a sua vida na graça com Deus… Publique-os e os lance na imprensa… E – concluiu — é preciso omitir que no Equador, 60% das obras de ajuda às pessoas pobres estão nas mãos da Igreja, pois isso se silencia”.


Destruir a Igreja desde dentro


O grande problema dos sacerdotes é a sua solidão: “Nós íamos em busca dos sacerdotes abandonados nos povoados e nas montanhas para dizer-lhes que se Deus existia, então por que permitia a pobreza? ‘A única maneira é a revolução. Una-se a nós, e nós vamos te ajudar’. Havia sacerdotes – lamenta agora — que cediam e que pensavam que teriam um grupo que lhe ajudaria, que lhe apoiaria, que estaria com ele… Em certas ocasionesoferecíamos dinheiro aos sacerdotes e às religiosas para que pudessem reconstruir, melhorar seus centros educativos com a única condição de que nos deixassem dar aulas de educação sexual e reprodutiva em seus colégios”.


Afastando-se ainda mais de Deus…


Em Amparo se cumpre aquela citação de Chesterton que “quando se deixa de crer em Deus, logo se crê em qualquer coisa”.


Imersa no ateísmo, não deixada de buscar algum resquício de espiritualidade na leitura de cartas, reiki, yoga…: “Como a vida na luta de esquerda era uma vida de pecado, você não podia se livrar das consequências do pecado. É a morte espiritual. São como pequenos pactos com o demônio. O demônio os cobra – adverte. Assim, comecei a sofrer por conta do dinheiro”.


“Alguém me recomendou que eu fizesse uma limpeza de ambiente. Tinha meus próprios mantras… que agora, que pude traduzi-los, dizem ‘eu pertenço a Satanás’. Fiz os mantras nos Estados Unidos e, inclusive, levei meus filhos ao xamã que era um mestre elevado da Religião Universal”.


… embora Deus não estivesse distante


Em certa ocasião, estando em uma comunidade, Amparo desafiou a Deus. Havia uma mulher rezando, porém, ela começou a repreendê-la severamente e chamá-la de louca. Até o ponto em que acabou rasgando uma imagenzinha que a pobre senhora segurava.


À época, sua prepotência de revolucionária não lhe fornecia muitas outras soluções. Pouco depois veio o passo seguinte até a sua conversão.


Ferida por uma bala da polícia


Amparo havia participando de todo tipo de manifestações e lutas contra o governo. Em ocasiões mobilizando os indígenas e facilitando que estes acorressem armados com lanças. Porém, certo dia, estando em uma delas, foi atingida por uma bala. Quando sentiu o impacto, Amparo recorda de duas coisas: por um lado, seu marido e seus filhos e, por outro lado, uma paz inexplicável, total. Não tinha medo de partir. Tudo era alegria, gozo, paz…


Nisso, escutou uma voz que lhe cantava: “Vi uns olhos maravilhosos. Vi o amor. Eram os olhos da Virgem. Eram justamente os olhos da estampa que eu havia rasgado! A estampa da Virgem Milagrosa. Eu a vi como uma adolescente de 15 anos. Com roupas brancas…”.


Enquanto ela sangrava, a única coisa que sentia era paz, alegria… Nesse momento a Virgem lhe disse: “Minha pequena, eu te amo”. E lhe pediu que deixasse todas as causas que ela levava e que assumisse a causa de seu Filho. Também se deu conta de que por trás da Virgem havia um senhor mais idoso: era seu avô.


E seu marido pensou que ela estivesse louca




Quando acordou, narrou toda a experiência a seu marido, Javier. Ele pensou que ela estivesse louca, e não era para menos. Uma ateia convicta, militante anticatólica, e despertando daqueles sonhos…


Em seguida, levaram-na para que os altos mestres, psicólogos e peritos da Nova Era a examinassem e a convencessem de que aquelas experiências eram fruto de suas alucinações e dos ferimentos. Sem dúvida, “ninguém podia tirar da minha cabeça que era Deus”.


Primeiramente, confessar-se


“A primeira coisa que precisava era um sacerdote. Precisava me confessar. A primeira coisa, em primeiro lugar, era a confissão. Eu pedia a Deus que não morresse no caminho, indo para casa, porque iria para o inferno. Na confissão estavam todos os pecados. Os mais horríveis”.


Era uma nova etapa, e havia de começar desde o princípio, fazendo tudo bem feito. Assim, a primeira coisa que fiz foi aprender a amar Jesus, a amar os sacerdotes, a amar a Igreja, amar os sacramentos”.


Amparo se sentia totalmente enlameada e também convidada a uma nova revolução: “O único que transforma o mundo é Deus. Eu não sou digna. É tão grande o amor de Deus…”


A conversão de seu marido


Amparo rezou e convidou seu marido Javier à conversão. Com o passar do tempo, Javier, revolucionário como ela, começou a dar provas de mudança por amor a Amparo.


Devia ser uma experiência dramática em si mesma pelo único fato de ter que romper com toda uma vida de convicções e luta comprometida. Amparo explica isso dessa maneira: “Meu marido aceitou crer em Deus e na Virgem, porém, não acreditava no sacramento. Todavia, Deus colocou um sacerdote santo em nosso caminho. Por fim, ele se confessou e sua confissão levou horas. Ao sair, sentiu que havia se livrado de toneladas de coisas”.


Agora era hora de denunciar as mentiras da ONU


A conversão das pessoas, na maioria das vezes, é um processo longo e em etapas. Amparo estava a caminho, mas ainda não renunciara a toda sua vida de pecado. Necessitava de parte dela, pois seu salário das Nações Unidas era uma fonte necessária para a família e seu ritmo de despesas.


Tudo aconteceu quando uma amiga sua lhe pediu informações sobre a distribuição da pílula do dia seguinte por parte das Nações Unidas no Equador. Amparo era responsável pela sua importação e distribuição no país.


De fato, sua agência das Nações Unidas havia vendido ao Equador 400.000 (quatrocentas mil) doses da pílula do dia seguinte. A ONU em Nova York, a UNFPA no Equador: “Eles nos vendem a 25 centavos de dólar, e nós as vendemos entre 9 e 14 dólares. É um negocio e tanto“.


No Equador houve um julgamento em que as Nações Unidas perderam a ação devido à distribuição da pílula e os pró-vidas ganharam, visto que tiveram que reconhecer que ela não é um método contraceptivo, mas sim anti-nidatório, ou seja, abortivo, e que se utiliza quando os métodos contraceptivos falham.


O ápice de sua decisão de converter-se e dar um passo definitivo até Deus aconteceu a caminho do tribunal nesse julgamento em que a ONU perdeu: “Quando estávamos levando a informação ao Tribunal, um jornalista me fez uma pergunta que pensei que era Deus quem me a fazia – estás com Deus ou estás com o demônio? –. A pergunta foi: O que eu pensava da pílula do dia seguinte? E, claro, eu continuava trabalhando para as Nações Unidas e apoiava todas as organizações pró-aborto. Nesse momento me dei conta de que era o momento de dizer a verdade e deixar de mentir a mim mesma. Era uma incoerência ser católica e ao mesmo tempo, por dinheiro, continuar apoiando uma organização que vai contra os meus valores. E, claro, disse a verdade e as Nações Unidas me despediram”.


O que existe por trás das Nações Unidas?


Por trás dos projetos da ONU, atrás das palavras bonitas que usam quando falam de saúde reprodutiva, na realidade, há toda uma promoção do aborto e dos contraceptivos. É o único objetivo para toda América Latina.


Na entrevista de Amparo à cadeia de televisão norte-americana EWTN, denunciava que no livro “Cuerpos, tambores y huellas”, editado pelas próprias Nações Unidas, se reconhece a promoção das relações sexuais com crianças desde os 10 anos. E que nele se explica claramente três coisas:
que os pais não devem ser informados da educação sexual que seus filhos recebem;
que as escolas devem distribuir contraceptivos a seus alunos sem o conhecimento e consentimento dos pais;
e que se um professor ou médico chegasse a informar aos pais de que seus filhos estão usando contraceptivos, esse professor ou médico deve ser expulso de seu trabalho por romper o sigilo profissional.


Amparo, e não só ela, denuncia a existência de um todo um negócio em que não se desperdiça nada: promove-se as relações sexuais entre crianças e adolescentes, e se lhes vendem preservativos. Como estes falham, então se lhes oferece o aborto ou a pílula do dia seguinte. Como o aborto produz restos humanos, estes servem bem para a experimentação ou bem para extrair algumas sustâncias que depois se usam em cremes, xampus, etc. Negócio completo.


Assistam a uma conferência de Amparo Medina:
E agora na luta pela vida


A realidade foi mais dura do que o previsto em um primeiro momento. O casal perdeu tudo quando saiu da revolução. Eles tiveram que renunciar a muitas coisas, as primeiras foram os bens materiais. Porém, foi “bonito encontrar juntos o amor de Deus e eliminar os mitos relativos aos sacerdotes, à Virgem, à Igreja…”


Amparo Medina e seu marido Javier Salazar são pais de três filhos. Ela é Diretora executiva de Ação Pró-vida Equadore, além disso, colabora e assessora outros organismos.


Agora também luta pela família, mulheres e crianças, mas a partir da verdade integral das pessoas, e não a partir do negócio econômico.
Ameaças de morte


Um novo enfoque, sim, mas não isento de perigos. Assim, Amparo tem sofrido ameaças de morte como a que recebeu não faz muito tempo em uma caixa de sapatos, dentro da qual havia uma ratazana morta com a mensagem”morte aos pró-vidas” e “lembre-se que os acidentes existem, lembre-se que as mortes acidentais são o dia a dia deste país, NÃO PROSSIGA COM SUA CAMPANHA ANTI MULHER E HOMOFÓBICA…Morte aos traidores, morte aos anti Pátria, MORTE OU REVOLUÇÃO”.


Amparo não se assusta. E continua com sua luta confiante que tem em mãos a possibilidade de defender milhares de vidas humanas.


Se desejar ver uma entrevista realizada com Amparo Medina à rede de televisão norte-americana EWTN, pode acompanhar aqui:


Fonte: http://www.pr.gonet.biz/index-read.php?num=2762

Fonte: santaigreja

O casamento é uma causa perdida?

 | Categoria: Sociedade

O casamento é uma causa perdida?

A aprovação do "casamento" gay é o último passo da agenda anti-família e da eliminação dos direitos das crianças
A promulgação da lei que permite o casamento gay e a adoção por pares homossexuais, no último mês de abril, na França, não encerrou o debate sobre a questão. Apesar da intransigência do governo socialista de François Hollande, a população voltou a encher as ruas de Paris neste domingo, 26/05, para dizer um rotundo não à equiparação do matrimônio às uniões de pessoas do mesmo sexo. Segundo os organizadores da "Manif pour tous" (Manifestação para todos), mais de um milhão de pessoas participaram do ato. O movimento contou com a presença não só de católicos, mas também de grupos de outras religiões e até mesmo de homossexuais. Um protesto semelhante ocorreu na Polônia também neste domingo e agregou milhares na terra do Beato João Paulo II.
A manifestação é uma resposta à falácia esquerdista de que a consolidação do "casamento" gay é um fato inevitável e irreversível. O professor de jurisprudência da Universidade Princeton,Robert P. George, considera um grave erro dos conservadores a aceitação da hipótese - obviamente incentivada pelos liberais - de que a defesa da família é uma "causa perdida". O professor recorda que o mesmo foi dito a respeito do direito ao aborto nos Estados Unidos, durante a década de 70, e hoje é mais comum encontrar pessoas pró-vida do que pró-escolha (como se definem os defensores do aborto). Ele alerta que a aceitação da união matrimonial entre pessoas do mesmo sexo não é uma simples questão de "justiça social", como afirmam seus defensores, mas uma mudança substancial no conceito de família e paternidade, que trará consequências perigosas para a educação das crianças e para a liberdade religiosa.
Ora, se se concebe o casamento não como uma união em uma só carne, argumenta George, mas como uma "parceria doméstica romântico-sexual", todo o arcabouço familiar desmorona, pois já não fazem sentido a monogamia, a fidelidade conjugal e os direitos paternais biológicos. O casamento passa a existir apenas como um contrato social com prazo de validade no qual ambas as partes prestam serviços sexuais. Isso é a completa perversão do conceito de família, além de uma afronta direta ao direito matrimonial histórico, que jamais cogitou tamanho disparate. A denúncia de Robert P. George se torna ainda mais grave quando se observam os precedentes abertos por essa compreensão errônea do ser humano e, por conseguinte, do casamento. Ele se questiona: "se dois homens ou duas mulheres podem se casar, por que não poderiam se casar também três ou mais pessoas, indistintamente de sexo, em poliamorosas "tríades", "quadríades", etc?"
Milhares de franceses deram a mensagem: "Casamento é entre um homem e uma mulher"
Para além das ressalvas, na prática, esse entendimento tortuoso do casamento já consolidou em muitos tribunais o retorno à poligamia. Um retrocesso que demonstra de forma contundente o caráter retrógrado e paradoxal do dito "progressismo". Ao considerar o ser humano como apenas razão e vontade, relegando o corpo a uma função meramente instrumental, o Estado redefine o matrimônio, transformando-o num simples arranjo de emoções e desejos eróticos. Sendo assim, se já não existe uma razão que sustente a distinção de sexo e a monogamia do matrimônio, aqueles que insistem na sua defesa, agem imbuídos por mero "preconceito". E é aí que mora o perigo, pois por que o Estado deveria tolerar as instituições religiosas promotoras da "homofobia"? É com base nessas questões que o professor Robert P. George alerta para a ameaça à liberdade religiosa erigida a partir da aprovação do "casamento" gay, última etapa no processo de desconstrução da família, iniciado há muito tempo com a permissão do divórcio.
Outro fator importante elencado pela fundadora do Instituto Ruth - uma organização dedicada à promoção da família - Jennifer Roback Morse, é o aumento da interferência do Estado nas questões familiares, por causa da nova definição do matrimônio. O casamento é uma instituição pública, cuja finalidade natural é defender os direitos das crianças. Cabe ao Estado garantir esses direitos através da justiça. Toda criança tem o direito natural de conhecer sua origem, sua identidade e de relacionar-se com o pai e a mãe. Todavia, quando o casamento deixa de ter seu fundamento biológico para se tornar um contrato, inúmeros problemas aparecem: divórcios unilaterais, filhos fora do casamento, produção independente, prejuízo à educação das crianças e sexualização precoce. Criada a desordem, quem aparece para arrumar a bagunça, pergunta Jennifer Morse? O Estado. Ela afirma que "o governo hoje em dia interfere muito mais na vida privada das pessoas do que jamais o fez nos terríveis anos da década de 1950".
Em linhas gerais, a intenção dos esquerdistas e dos promotores do "casamento" gay nunca foi garantir "direitos iguais" aos homossexuais, mas tão somente aumentar o poder do Estado sobre a família e o comportamento dos seus filhos. Trata-se de uma engenharia social que caminha a passos largos e imita os rumos de países como a Suécia, um triste exemplo de nação na qual os pais não têm mais contato com seus filhos. A educação fica sob total responsabilidade do Governo, que os educa conforme a sua cartilha materialista e socialista. E se resta alguma dúvida de que essa política está sendo empregada no Brasil, basta lembrar da recente lei promulgada pela presidente Dilma Rousseff que obriga os pais a matricularem seus filhos na escola a partir dos quatro anos de idade.
Por outro lado, infelizmente, pouquíssimas pessoas têm se dado conta da gravidade da situação.Não percebem que o que se está em jogo é a autonomia familiar, os direitos da criança e a liberdade religiosa. Alguns argumentam que isso é uma questão de foro íntimo e de liberdade de consciência. Não, não é! Nenhuma nação é livre quando os direitos fundamentais do indivíduo são tolhidos logo na base, ou seja, quando crianças. Recorda Jennifer Roback Morse, "não é possível criar uma sociedade duradoura que sistematicamente mine o fundamento biológico da identidade humana". Provavelmente, todos têm contato com filhos de pais separados, com crianças órfãs ou frutos de uma "produção independente". Todos sabem do sofrimento e da angústia delas. Não obstante, imaginem então o caso daquelas crianças geradas em barrigas de aluguel, geradas a partir de doações de sêmen, seja para pares homossexuais, seja para casais.
As manifestações realizadas na França e na Polônia não são apenas atos políticos de partidos de "extrema direita". São, antes de tudo, um ato heroico de um povo que percebeu a artimanha sorrateira dos liberais contra a família. Reproduzem a reta razão e o direito natural inscrito no coração do ser humano de que o matrimônio é uma realidade existente somente entre um homem e uma mulher, não só para a geração, mas também para a proteção e garantia da vida dos filhos. E isso, nenhuma ideologia, por mais engenhosa que seja, será capaz de cancelar. Que elas possam inspirar mais e mais católicos e pessoas de boa vontade a se posicionarem de maneira clara contra a mentira e os projetos totalitários que procuram solapar a família.
Por: Equipe Christo Nihil Praeponere

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Bomba! Delegado que prendeu Pr. Marcos Pereira reconhece que errou, segundo Senador Magno Malta.


Assista ao vídeo abaixo:


"Como se constrói uma Farsa?" - Ou, luzes sobre o Governo Opressor Gayvernista Francês.

manif1Aos que ainda se iludem com a Rede Globo, com a revista Veja ou com a Folha de São Paulo, empresas dominadas pela pauta gay, afirmo que a farsa que está sendo montada na França só tem um objetivo: justificar as ações do governo socialista francês, que quer calar seu povo no soco. 

No dia 26 de maio a França produziu um dos acontecimentos mais emblemáticos e históricos deste século. Pacificamente, milhares de franceses, mais de um milhão, segundo os organizadores, marcharam pelas ruas da capital em defesa da família e do casamento. Jovens, crianças, idosos, homens e mulheres, famílias inteiras, caminharam sob um clima amistoso, contrariando os "conselhos" do ministro do interior, Manuel Valls[1].

Voltando no tempo, lá no já longínquo agosto de 2012, e comparando a situação de então com o que se viu ontem, podemos afirmar, sem dúvida nenhuma, que a França despertou, acordou de sua letargia. 
nonloitaubiraE o que provocou este despertar?
Com a vitória do socialista François Hollande para a presidência, foi colocada em implementação por sua ministra da Justiça, Christiane Taubira, a guardiã dos selos, como se diz na França, uma "mudança de civilização"[2], que tem como norte a destruição dos últimos resquícios das tradições que advém da outrora França católica, dos últimos resquícios das leis fundamentadas sobre a lei natural e a lei divina. 

Ocorre que, como sempre, centenas de pessoas de bom senso reagiram a esta tentativa de mudança. Inicialmente, a reação foi tímida, advinda principalmente dos grupos católicos tradicionais, do Instituto Civitas[3]. Forçados por estes grupos, e para não serem vistos como negligentes[4], os bispos da França[5], em uma ação que diríamos até desastrada, escreveram, em agosto passado, uma oração[6] em favor da família para ser rezada em todas as paróquias. Dizemos que a ação foi desastrada porque, querendo agradar a gregos e troianos, a Conferência Episcopal da França acabou se contradizendo, se desmentindo, dizendo que não se tratava de um confronto propriamente dito, de uma luta aberta. Vários padres e bispos, inclusive, chegaram a criticar a oração, defendendo abertamente os gays[7]. 
Ocorre que algo já estava fermentando nesta França, que chamaremos de França profunda, tomando emprestado o termo que foi cunhado na própria terra de Carlos Magno; algo já estava nascendo, aos poucos, em conversas, pelas redes sociais, nas paróquias. Este algo só ficaria visível, esta resistência, esta contra-revolução só mostraria sua face em novembro, quando, em Paris, uma manifestação reuniu 100 mil pessoas contra o projeto de lei Taubira[8]. 
Para muitos, o número parece pequeno, mas o fato é que ninguém esperava esta mobilização[9], nem o governo, nem a Igreja, nem os políticos de todos os partidos, nem os próprios organizadores, que se reuniram em um coletivo chamado Manif pour tous, a LMPT[10].francefamilyPois bem, 100 mil pessoas saíram às ruas de Paris e deram um susto no governo Hollande. Estes 100 mil se transformaram em um milhão de manifestantes em janeiro[11], e o governo, desprezando o clamor dos franceses contrários à lei, defendendo uma minoria barulhenta que só serve de joguete para interesses maiores, deu de ombros para o povo, fez ouvidos de mercador, como diziam nossos avôs. 
Hollande, é claro, está a serviço de uma agenda, que como dizem na Europa, responde diretamente à Bruxelas, onde está situada a sede da União Européia. Hollande é apenas um  fantoche, e isso fica claro pelo modo com o qual ele tem tratado toda a questão. 
Desde então, o governo francês, formado em sua imensa maioria por maçons[12], mais a mídia, começaram a adjetivar os manifestantes, chamando-os de nazistas, de extremistas de direita, de reacionários, de atrasados, de homofóbicos. Ora, ao vermos a multidão de manifestantes, podemos dizer que há de tudo ali, menos gente com estas características. 
Pois bem, os termos vazios cunhados para desarmar os adversários acabaram não surtindo efeito, e ao invés de diminuir, o movimento de resistência foi crescendo, crescendo e crescendo. Na segunda grande manifestação, em março, um milhão e quatrocentos mil franceses lotaram as avenidas do Grande Exército e Charles de Gaulle[13]. A extensão destas duas avenidas dá o dobro da extensão da avenida Paulista, em São Paulo. Nesta segunda manifestação nacional, o governo, querendo criar uma situação de confronto, impediu que os manifestantes ocupassem a avenida dos Campos Elísios[14]. A multidão, espremida, inevitavelmente, acabou gerando os "transbordamentos", o que, com a ação desproporcional da polícia, gerou as imagens chocantes que correram o mundo, aonde crianças, freiras, idosos, foram agredidos simplesmente porque queriam circular[15]. A França, para quem não sabe, está respondendo a um processo no Conselho de Ministros da Europa por abuso da autoridade policial neste caso[16]. É claro, amigos leitores, que sabemos a quem este conselho responde. 
Assim, voltando ao início do nosso texto e ao título de toda esta postagem, o que vimos ontem foi um governo que criou todas as barreiras possíveis, todas as situações de extremidade possíveis justamente para ter o que usar em seu favor. Inicialmente, Manuel Valls aparece falando de extremistas que causariam transtornos. Depois, a polícia aduaneira, que estava em paralisação até então, começa a criar transtornos na chegada, à capital, dos franceses das províncias[17]. Em seguida, estações de trem são fechadas, os serviços de transporte de Versalhes, região que concentra a maioria dos opositores de Hollande na grande Paris, são paralisados e os moradores locais são barrados na estação de trem [18]. 
Some tudo isso, e temos um verdadeiro barril de pólvora pronto para explodir. Contudo, como Valls estava lidando com católicos, pessoas pacíficas, e pacífico não é sinônimo de tolo, nada melhor, então, do que criar uma situação de confronto real, infiltrando, segundo o que veremos abaixo, polícias em trajes civis no meio da multidão. 
O mundo, ou melhor, os grandes veículos de comunicação, que recebem suas notícias das agências de notícias como Reuters e France Press, anunciaram que franceses de extrema direita atacaram a polícia no fim da manifestação de ontem[19], que, repetimos, reuniu um milhão de franceses mesmo depois da lei ter sido sancionada. Ora, cara grande mídia, hoje não é possível mais mentir facilmente para as pessoas, afinal temos celulares que filmam os acontecimentos, e a verdade é que foi a polícia de Paris que provocou todo o distúrbio. E querem ver como?
Primeiro, na mídia brasileira foi noticiado que jovens atacaram a polícia com garrafas, lançando garrafas. Vejam este vídeo:


Hummm.... a polícia arremessando garrafas? Estranho, não é?

Agora vejam este outro vídeo. Vejam como eles tratam os manifestantes "perigosos", armados até os dentes com... bandeiras e mochilas. Você, leitor, se você estivesse pacificamente na manifestação, fosse provocado pela polícia, que não parou de lançar gás contra as pessoas durante toda a tarde, e de repente visse um vizinho, um amigo ou um jovem desconhecido, como o que estampa o topo da matéria, sendo atacado covardemente pela polícia política de Hollande, você ficaria passivo, ficaria assistindo tudo sem fazer nada? Tenham dó, não é mesmo?!
As imagens são chocantes, impressionantes. Ocorre que o que vemos aí pode ser apenas o início de um caos social muito maior. A França está mergulhando em um ciclo de violência profunda, e até agora os franceses católicos e todos aqueles que ainda guardam o bom senso só têm apanhado. A pergunta é: até quando? Ou melhor: quem tem atiçado este confronto? E é aí que voltamos ao governo. 

Segundo um jovem presente[20]: 
"Ontem, como um bom número de meus concidadãos, vim a Paris manifestar minha desaprovação à lei Taubira. Depois disso, minha irmã e eu quisemos participar das vigílias durante a noite. Em um primeiro momento, vendo um grupo de vigilantes se instalar na avenida de Breteuil, engrossamos seu número. Por volta das 20h30, tomando conhecimento de que o grupo principal dos vigilantes estava localizado diante da ponte Alexandre III, nos deslocamos, para nos unirmos a eles, peloboulevard dos Inválidos. Uma barreira com trinta policiais nos impediu de alcançar a Esplanada.... Insistimos para passar, e estes últimos nos disseram de modo agressivo, mas sem violência física, que era impossível, e que deveríamos ir embora.... Um rapaz de 22 anos, vendo 2 pessoas, autorizadas pelos policiais, passarem por esta barreira, pediu igualmente para passar. Uma vez mais, o policial respondeu energicamente que nem sonhando, e que ele deveria se retirar. Este rapaz deu meia volta um pouco exasperado, tomou seu telefone para responder ou fazer uma chamada telefônica. Neste momento, 3 policiais se lançaram sobre ele, o levando para trás de um veículo da polícia, o deitando no chão e o golpeando com uma violência extraordinária... Quase imediatamente depois disso, entre 20 e 30 jovens, vestidos na maioria com blusões com uma aparência que denotava relação com os manifestantes, chegaram sem que se soubesse de onde eles vinham, e foram autorizados a passar pela barreira. Dez metros após a barreira, alguns retiraram sua blusa, deixando aparecer camisetas com suásticas. 
Outro rapaz também afirma[21]:
"Os vestidos com suásticas tinham tido a autorização da polícia para entrar, à tarde, no recinto dos Inválidos (lado Vauban), enquanto que o comum da multidão era reprimido neste lugar".
E, por fim, Béatrice Bourges, líder do grupo Primavera francesa, denuncia[22]:
"Tendo passado a noite na Esplanada dos Inválidos, com os vigilantes da Manif pour tous, vi com meus próprios olhos policiais em trajes civis tirarem suas braçadeiras laranja para se confrontar com outros policiais, e induzir a um confronto com manifestantes diante das câmeras de televisão. É surrealista!"

Como vocês podem perceber, caros leitores, o clima de histeria do governo é tamanho, que estão sendo criadas desculpas para atacar impunemente os opositores da lei Taubira. E para justificar estes atos, há uma verdadeira tentativa de se criar situações falsas, que visão apenas transmitir a ideia de que os manifestantes são violentos, e não o governo. Contudo, a coisa está saindo do controle. 

Hoje (28) pela manhã, por exemplo, diversas mães que estavam diante de um colégio foram presas pela polícia[23]. O crime? Elas estavam usando camisetas da Manif pour tous. Isso mesmo, leitores, a polícia prendeu diversas mães que estavam na frente do colégio Buffon, em Paris, para pegar seus filhos, que ficaram abandonados na saída, simplesmente porque elas são defensoras da família.

france2
No mesmo período, jovens que estavam no boulevard Pasteur, também em Paris, foram presos pelo mesmo motivo, por usarem camisetas com os símbolos da LMPT[24]. E mais, não é só isso não, outro jovem, que saia da estação do metrô Sevres, foi preso só porque, vejamos, estava no lugar errado e na hora errada; ou seja, se você estiver em Paris, e tiver o semblante de alguém que desaprova a lei Taubira, se prepare, você será preso!
Além destes atos de terrorismo de Estado, o site do Forum Catholique, grande site de debates da Tradição católica na França, foi hackeado pelo defensores da ditadura gay[25]. No mesmo dia, o Instituto Civitas foi alvo de uma ameaça de bomba[26].
Logo, a França profunda se vê agora em um confronto direto com a França moribunda, chamada de França "moderna", que, por mais que alguns teimam em não reconhecer, fracassou e caminha para sua destruição. E a guerra que está eclodindo, uma guerra de civilização, não será vencida sem suor e sangue.
Assim, caros leitores, principalmente aos que ainda se iludem com a Rede Globo, com a revista Veja ou com a Folha de São Paulo, empresas dominadas pela pauta gay, afirmo que a farsa que está sendo montada na França só tem um objetivo: justificar as ações do governo socialista francês, que quer calar seu povo no soco. 
Que Deus tenha piedade de nossos irmãos, e viva a França católica! A França que despertou de seu sono.

Nota:
[1] Libération: Manuel Valls «déconseille» aux familles avec enfants de manifester dimanche. Disponível em:http://www.liberation.fr/politiques/2013/05/25/manuel-valls-deconseille-aux-familles-avec-enfants-de-manifester-dimanche_905667; RTL: Manif pour tous : Manuel Valls "déconseille aux familles avec enfants" de manifester. Disponível em: http://www.rtl.fr/actualites/info/politique/article/manif-pour-tous-manuel-valls-deconseille-aux-familles-avec-enfants-de-manifester-7761705829
[2] Le Nouvel Observateur. Mariage homosexuel: "une réforme de civilisation" pour Christiane Taubira. Disponível em http://tempsreel.nouvelobs.com/monde/20121107.FAP3737/mariage-homosexuel-une-reforme-de-civilisation-pour-christiane-taubira.html; Les 4 Verités. Oui, c’est un changement de civilisation. Disponível em: http://www.les4verites.com/societe/oui-cest-un-changement-de-civilisation; 20 minutes. Mariage gay: Christiane Taubira promet une «réforme de civilisation». Disponível em:http://www.20minutes.fr/ledirect/1037522/mariage-gay-christiane-taubira-promet-reforme-civilisation; Ouest France. Mariage des homosexuels. Taubira détaille son projet. Disponível em: http://www.ouest-france.fr/actu/actuDet_-Mariage-des-homosexuels.-Taubira-detaille-son-projet_39382-2130340_actu.Htm 
[3] Le Figaro: Civitas mobilise contre le mariage gay. Disponível em: http://www.lefigaro.fr/flash-actu/2012/09/08/97001-20120908FILWWW00363-civitas-mobile-contre-le-mariage-gay.php. France Jeunesse Civitas: La campagne de Civitas contre le "mariage" homosexuel relayée dans le journal "Libération". Disponível em: http://francejeunessecivitas.hautetfort.com/archive/2012/06/29/la-campagne-de-civitas-contre-le-mariage-homosexuel-relayee.html
[4] La Croix: La prière pour la France, entre large adhésion et quelques réserves. Disponível em: http://www.la-croix.com/Religion/Actualite/La-priere-pour-la-France-entre-large-adhesion-et-quelques-reserves-_NG_-2012-08-13-842249
[7] Le Nouvel Observateur: Mariage gay: une prière pour la famille traditionnelle pas si universelle que ça. Disponível em: http://tempsreel.nouvelobs.com/societe/20120815.FAP6902/mariage-gay-une-priere-pour-la-famille-traditionnelle-pas-si-universelle-que-ca.html. Le Parisien: La Prière pour la France divise l'Eglise. Disponível em: http://www.leparisien.fr/societe/la-priere-pour-la-france-divise-l-eglise-15-08-2012-2125819.php
[8] Libération: Plus de 100.000 personnes dans la rue contre le mariage gay en France. Disponível em:http://www.liberation.fr/societe/2012/11/17/mariage-homosexuel-les-opposants-se-mobilisent-ce-week-end_861141. L'Express: Nouvelle manifestation contre le mariage gay à Paris. Disponível em:http://www.lexpress.fr/actualite/societe/nouvelle-manifestation-contre-le-mariage-gay-a-paris_1188800.html#T2Pjv06vxOWKCGuz.99. Le Monde: Plus de 100 000 personnes manifestent contre le "mariage gay". Disponível em: http://www.lemonde.fr/societe/article/2012/11/17/forte-mobilisation-a-travers-le-pays-des-opposants-au-mariage-gay_1792315_3224.html 
[10] La Manif Pour Tous. Site oficial: http://www.lamanifpourtous.fr/fr/
[12] Le Figaro: Hollande : un président très entouré de francs-maçons. Disponível em:http://www.lefigaro.fr/politique/2012/12/07/01002-20121207ARTFIG00503-hollande-un-president-tres-entoure-de-francs-macons.php
[13] Le Parisien: Manif pour tous : un grand succès et des polémiques. Disponível em:http://www.leparisien.fr/espace-premium/air-du-temps/manif-pour-tous-un-grand-succes-et-des-polemiques-25-03-2013-2668445.php
[14] Préfecture de Police de Paris. Communique de presse sur le projet de manifestation du 24 mars. Disponível em: http://mobile.prefecturedepolice.interieur.gouv.fr/Actualites/Evenement/Communique-de-presse-sur-le-projet-de-manifestation-du-24-mars
[15] Le Nouvel Observateur: Manif pour tous : gaz lacrymo, images choc et une victoire pour Frigide Barjot. Disponível em: http://leplus.nouvelobs.com/contribution/805559-manif-pour-tous-gaz-lacrymo-images-choc-et-une-victoire-pour-frigide-barjot.html; 20 Minutes: Manif Pour tous»: Revivez la journée de dimanche en direct. Disponível em: http://www.20minutes.fr/societe/1124579-live-20130324-manif-tous-tirs-gaz-lacrymogenes-circulation-coupee-abords-champs-elysees; Le Parisien: Manif pour tous : Boutin veut la démission de Valls. Disponível em: http://www.leparisien.fr/societe/manif-pour-tous-christine-boutin-victime-de-gaz-lacrymogene-24-03-2013-2666903.php
[16] NovoPress: Violences policières de la Manif pour tous : le gouvernement français devra s’expliquer devant le Comité des ministres du Conseil de l’Europe. Disponível em: http://fr.novopress.info/136727/violences-policieres-de-la-manif-pour-tous-le-gouvernement-francais-devra-sexpliquer-devant-le-comite-des-ministres-du-conseil-de-leurope/
[17] Le Salon Beige: La manif pour tous en direct. Disponível em:http://lesalonbeige.blogs.com/my_weblog/2013/05/26-mai-la-manif-pour-tous-en-direct-actualisez-votre-page.html. Le Nouvelles de France: En direct de la Manif pour Tous du 26 / Frigide Barjot vomit sur LMPT et le Printemps français / La police annonce 150 000 personnes. Disponível em: http://www.ndf.fr/article-2/26-05-2013/en-direct-de-la-manif-pour-tous-du-26
[18] Rouge et Noir: Manifestation du 26 mai 2013. Disponível em: http://www.lerougeetlenoir.org/les-breves/direct-manifestation-du-26-mai-2013
[19] Veja: Protesto contra casamento gay em Paris termina em confronto. Disponível em:http://veja.abril.com.br/noticia/internacional/protesto-contra-casamento-gay-em-paris-termina-em-confronto. G1: Protesto contra o casamento gay termina em violência na França. Disponível em: http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2013/05/protesto-contra-o-casamento-gay-termina-em-violencia-na-franca.html 
[20] Le Salon Beige: Les voyous d'hier ont agi en complicité avec la police. Disponível em:http://lesalonbeige.blogs.com/my_weblog/2013/05/les-voyous-dhier-ont-agi-en-complicit%C3%A9-avec-la-police.html
[21] Idem. 
[22] Newsring: Béatrice Bourges : «La présence de Copé hier est clairement une tentative de récupération politique». Disponível em: http://www.newsring.fr/politique/4001-les-anti-mariage-gay-peuvent-ils-faire-perdre-lump/55513-beatrice-bourges-la-presence-de-cope-hier-est-clairement-une-tentative-de-recuperation-politique
[23] Le Salon Beige: Rafle devant le lycée Buffon à Paris. Disponível em:http://lesalonbeige.blogs.com/my_weblog/2013/05/interpellations-devant-le-lyc%C3%A9e-buffon-%C3%A0-paris.html
[24] Idem. 
[25] L'Observatoire de la Christianophobie: Le Forum Catholique piraté… Disponível em:http://www.christianophobie.fr/breves/le-forum-catholique-pirate
[26] MetroNews: Argenteuil : alerte à la bombe dans les locaux de Civitas. Disponível em:http://www.metronews.fr/paris/argenteuil-alerte-a-la-bombe-dans-les-locaux-de-civitas/mmeA!eqL1VEuBRT2c/. Riposte-Catholique: Menace d’attentat à la bombe contre Civitas… Disponível em: http://www.riposte-catholique.fr/obs-de-la-christianophobie/menace-dattentat-a-la-bombe-contre-civitas#.UaU3gtLVDoI

Robson Carvalho
 edita o blog Annales Historiæ. Via Mídia Sem Máscara

Grupo 'ATEA' PRÓ LGBT incentiva subliminarmente o assassinato de Marcos Feliciano e os Cristãos.

Grupo 'ATEA' Promete Caçar e ASSASSINAR Cristãos Que São Contra a Nova Ordem
Grupo 'ATEA' Espalha HQ Que Promete Caçar e
 
 ASSASSINAR Cristãos Que São Contra a Nova 
 
Ordem Mundial.

[Imagem: 970104_519714288092671_468907537_n.jpg] 

Mais um grupo ativista mercenário promovendo a agenda globalista...

A ATEA (Grupo de neo ateus na internet) acabou de compartilhar essa página de HQ fazendo incentivo ao assassinato! (No quadrinho um deputado e pastor "polêmico" chamado Justiniano é assassinado por um justiceiro). Engraçado, isso me lembra o Feliciano!

No Cartoon o bilhete que diz "Três tiros. por John Winston Lennon." lembra o vídeo de Feliciano falando de John Lennon:





Link da publicação na página da ATEA:
http://www.facebook.com/ATEA.ORG.BR/post...5834073336

Incrível é a cara de pau das frases: “O Doutrinador' irá caçar os que produzem a miséria e o atraso, ninguém escapará”, “Uma nova era começou, e ela veio para ficar.”

Ou seja, aqueles que serão contra a NOVA ORDEM serão caçados e assassinados?
Bem, é isso que a elite globalista pretende mesmo fazer...

Esta coisa de ativismo mercenário está crescendo igual capim... Virou moda "se vender pelas ideias de uma organização superior..." E outra, pregam tanto a "tolerância", mas eles mesmos prometem destruir quem se opõe a ideologia deles... Vide outros grupos, como o Movimento Gay, Feministas, e etc...

Quem estuda ciência política e algum um dia parou para prestar atenção na direção que a ATEA estava tomando, sabia que as coisas iriam descambar para isso um dia.

Vejamos. O neo-ateísmo, embora tenha idéias estratégicas interessantes (que devem ser instrumentalizadas na guerra política por todos os lados), por outro aspecto adora o viés da campanha de ódio e indução ao crime contra os seus oponentes. A diferença é que a ATEA tem a cara de pau suficiente de levar isto às últimas consequências.

Eles citam a imagem de um personagem que “irá caçar os que produzem a miséria e o atraso, ninguém escapará”. Os dizeres ainda incluem: “Uma nova era começou, e ela veio para ficar.”

Tecnicamente, tudo normal, não fosse o fato da ATEA selecionar uma página em específico (e somente essa) onde o tal personagem mata um pastor que também é deputado federal, fazendo clara alusão a Marco Feliciano.

No contexto de uma página de disseminação de ódio contra religiosos, fica evidente a mensagem da ATEA: “cristão bom, é cristão morto”.

Mas e se o personagem fosse um homossexual, qual seria o resultado? Com certeza, vários processos judiciais já teriam sido lançados.

Enquanto isso, a ATEA não receberá um processinho sequer dos religiosos, que agem igual os judeus agiam diante da campanha nazista contra eles logo após a Primeira Guerra Mundial. Sempre achando que “isso não vai dar em nada”. Mas quem leu “Apoiando Hitler”, de Robert Gelatelly, sabe que os cristãos estão novamente escolhendo a pior estratégia possível: a da mansidão abjeta.
 
Fonte: Anti Nova Ordem Mundial

Comentários que foram dados na publicação:
[Imagem: atea_campanha_de_odio_contra_religiao_2.png?w=700]

quinta-feira, 23 de maio de 2013

GLOBO, NÃO QUERO SABER DE ADULTÉRIO PERDOADO. QUERO AS PROVAS DOS ESTUPROS!




A Globo-LGBT encontrou um esqueleto no passado do Pr. Marcos Pereira.

Como não pode provar nada contra o Pastor dos estupros que divulgou, a Rede Globo-LGBT-Jean Wyllys-Afroregae, depois de muito cavarem no cemitério do passado do pastor, encontraram um adultério que já foi esclarecido, disciplinado e perdoado pela família e a Igreja do Pastor. Na verdade, com esta notícia, a mídia Gayzista acabou inocentando o acusado de estupro pois, que de estupro, essas ditas "provas" apenas revelariam ter sido consentido as eventuais práticas moral e espiritualmente reprováveis mas, não criminalmente. 

Não se enganem, a Globo é famosa em noticiar adultérios de pastor e pedofilías de padres, o que ela só não divulga é o Satanismo e Homossexualismo que vem dela e está destruindo nosso país. Não se enganem amigos, não será a primeira vez, nem a última que essa filha do inferno trabalhará arduamente por seu pai, o diabo. Em suma, não é surpresa, é sim, pecado desenterrado, escândalo mas, nada que o Rei Jesus não resolva com seu sangue. Logo mais, eles estarão procurando outro caso com pastor e padre, para abafar os Condenados do Mensalão que o Joaquim LGBT Barbosa julgou mas não quer condenar com seu teatrinho esquerdista. Fiquem atentos, não sejam manipulados.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...