quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Os terríveis Gulags Comunistas da Coreia do Norte.

111717564.0.0

Os gulags da Coreia do Norte existem em um mundo estranho de segredo e mistério. Ninguém sabe ao certo quantos milhares ou milhões estão trancados nos campos, os quais oficialmente não existem, e informações sobre o que se passa lá podem ser escassas. Mas podemos observar o crescimento dos campos graças aos satélites, onde são tão claros e visíveis publicamente que estão marcados no Google Maps, e estamos aprendendo mais o tempo todo a partir dos relatos de desertores e fugitivos que fogem do Reino Eremita.

Aqui está um guia para os conceitos básicos dos infames campos de trabalho  da Coreia do Norte: como eles funcionam, quem é enviado para lá, e por que esses abusos monstruosos dos direitos humanos continuam.

Gulags da Coreia do Norte: o básico

Screen_Shot_2014-10-26_at_1.54.35_PM.0
O prisioneiro e fugitivo norte-coreano Kim Kwang-il fez este esboço a retratar suas condições de vida no gulag. (Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos)

Coreia do Norte opera quatro grandes campos de trabalho para presos políticos – instalações do porte de cidades e instalados nas frígidas montanhosa do país. A maioria dos presos são enviados para cumprir prisão perpétua, como punição por deslizes menores, ou porque um parente cometeu algum delito. Eles são submetidos a trabalho árduo, a rotina de tortura e fome o medo constante da execução arbitrária e aqueles nas condições mais esquálidas não sobrevivem mais do que 45 anos.
Estes gulags – que são separados dos sistemas prisionais mais convencionais do país – abrigam cerca de 100 mil pessoas ou mais, incluindo muitas mulheres e crianças. Muitas vezes, famílias inteiras são enviadas por causa da ofensa de um só membro, através de duas ou três gerações. Às vezes, os presos não terão nenhuma ideia por que estão lá, ou nunca vão conhecer o parente pelo qual são punidos com uma vida de tortura e desnutrição.

O que os piores abusos dos direitos humanos na terra fazem

satellite-page-4.0
Vista por satélite do campo 15 (Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos)

Um relatório das Nações Unidas chamou os acampamentos de “um abuso dos direitos humanos sem qualquer paralelo no mundo contemporâneo”. Ser enviado para os campos é uma sentença de morte, que pode levar vários anos ou décadas torturantes para se realizar. Os tormentos dos gulags são, em muitos aspectos, um microcosmo mais grave da Coreia do Norte fora dos campos.
Os presos não recebem comida suficiente para sobreviver, forçando-os a se virar um contra o outro – ou ter favores de alguma forma com os guardas – para garantir o suficiente para comer. Recebem duros trabalhos, como a mineração de carvão, sem equipamento adequado ou ventilação. Mulheres e meninas estão sujeitas a estupro e abuso sexual por guardas.
Como as sentenças duram gerações isso significa que algo de semelhante a famílias formam-se muitas vezes nos campos, os presos vivem com o medo de que eles serão torturados ou mortos por crime de um membro da família – e muitas vezes são forçados a trair a sua própria família para sobreviver. Todos os presos, desde crianças até as mães grávidas, convivem com o medo constante da execução arbitrária, seja por cometeram ofensa, ou deixar cair uma peça de equipamento, ou por nenhuma razão aparente.

Por que isso está acontecendo: o controle pelo medo

125683095.0
Kim Young Soon, que morou em um campo político norte-coreano por nove anos, chora enquanto testemunha perante o Congresso. (Saul Loeb / AFP / Getty)

Os acampamentos são uma extensão do Estado policial totalitário da Coreia do Norte, a intenção de exercer o controle total e inculcar a obediência completa. Esse estado policial começa nas casas, cada uma das quais é obrigada a ter retratos do líder Kim Jong Un e são equipadas por um rádio – impossível de desligar – que transmite propaganda do estado. Bairros e conjuntos habitacionais têm agentes políticos formais, geralmente do sexo masculino, e monitores políticos informais, geralmente do sexo feminino, que informam sobre a menor brecha.
Subjacente a tudo isso está a ameaça do gulag: um destino pior que a morte pela simples execução ou inanição. Os acampamentos são destinadas a aterrorizar os norte-coreanos não apenas em conformidade, mas pela colaboração ativa, informando sobre vizinhos e familiares. É emparelhado com propaganda nacionalista que incute um amor de adoração do Estado e do líder Kim Jong Un.
Os acampamentos também desempenham um papel econômico, como fontes de mineração, exploração madeireira e agricultura.

O que o mundo pode fazer sobre isso: esperança para o colapso

462150311.0
O líder norte-coreano Kim Jong Un inspeciona tropas do Exército (KNS / AFP / Getty)

Há muito pouco que o mundo pode fazer, ou está disposto a fazer, para acabar com os acampamentos. O governo norte-coreano tenta distrair a atenção do mundo com o seu programa de armas nucleares e suas ameaças e ataques contra seus vizinhos, principalmente a Coreia do Sul, mas também no Japão; ele sabe que o mundo se preocupa muito mais sobre dissuadir um ataque nuclear norte-coreano de cerca de acabar com os gulags.
Esta é uma razão importante pela qual a Coreia do Norte se alterna periodicamente entre engajar-se em negociações nucleares e vociferantes provocações. Isso mantém o foco global sobre armas nucleares, e não sobre os abusos dos direitos humanos internos da Coreia do Norte, que considera cruciais para manter o controle.
Não há sinal algum de que a família Kim, que governou por três gerações, vai amolecer ou reformar esses abusos. Nem há qualquer chance de que o mundo vai forçá-los a parar: a dissuasão nuclear da Coreia do Norte torna isso impossível. Perversamente, o “melhor” que podemos esperar é que o governo caia ou seja derrubado a partir de dentro, o que sem dúvida seria catastrófico, mas pelo menos poderia significar o fim do sistema mais cruel de abusos dos direitos humanos no mundo.

Correção: Este artigo originalmente afirmou que a Coreia do Norte opera seis gulags. De fato, como Curtis Melvin do Instituto americano na Coreia do Sul relatou, a Coreia do Norte recentemente fechou os campos 18 e 22, como parte de sua aparente consolidação de prisioneiros em outros campos, o que significa que atualmente opera quatro. Agradecimentos a Curtis por apontar isso.


Fonte: http://www.vox.com/2014/10/27/7073029/north-korea-gulags-prison-camps-explainer
Tradução: Emerson de Oliveira

domingo, 19 de outubro de 2014

Autoridades ligadas ao PT prendem Engenheiro Evangélico e sua esposa por usarem o método "Educação Domiciliar" com seus filhos.

Por Ricardo Ribeiro

O engenheiro cearense Helon Frazão e sua esposa, médica, Denise Frazão, encontram-se presos desde o dia 4 de Setembro do corrente ano, pela prática da "Educação Domiciliar", no Hospital Psiquiátrico Professor Frota Pinto em Fortaleza, CE. Foi o que disse ao Jornalista Ricardo Ribeiro em mensagem privada no perfil do facebook deste, no dia 12 de Outubro de 2014, às 19:28 hs. A prisão para Helon, ocorreu por perseguição político-religiosa com a conivência da família, uma vez que o PT, segundo ele, é quem administra a cidade e por ter tal partido uma "Agenda Anti-Família e Pró-LGBT", estaria o perseguindo por ser um Ativista Pró-Família. Clique na foto abaixo para ampliar. 



No dia 26 de Junho de 2014, Helon informou ao referido Jornalista, que estava recebendo sindicâncias do CAPS, Conselho Tutelar e Ministério Público, para averiguar a situação dos seus filhos em sua residência, sem o devido mandado judicial, e que, por este motivo, se recusou a aceitá-los com este propósito, embora tenha fornecido tudo o mais que exigiram aparentemente.
Helon era frequente comentarista das postagens do Ricardo Ribeiro e de repente sumiu por mais de mês, vindo a aparecer pedido socorro. Suas palavras, conforme o print acima, foram: "Eu e minha esposa Denise, estamos presos desde o dia 04/setembro/2014 no hospital de saude mental de messejana prof. Frota pinto em fortaleza/ceara. Injustamente fomos colocados aqui por nossa família. Não tomamos nenhuma medicação. Peço-lhe suas orações, divulgação na NET e apoio jurídico. Obrigado. Fone para contato (085) 3474-0992. Ligue e chame por Helon ".

Fazendo um reconhecimento em seu perfil do facebook, que é este: https://www.facebook.com/helon.frazao?ref=ts&fref=ts,
contatou-se um apelo da sua irmã "Helone Faray" nos seguintes termos: "Sou irmã do Helon Frazão Guimarães, e desde ontem ele e a esposa tomaram rumo ignorado e precisamos urgentemente saber o paradeiro deles. Peço aos amigos e conhecidos do face dele que ao saberem de seu rumo imediatamente informem no meu telefone 98-88114173 (whats). É vital que entrem em contato conosco logo que tiverem informações. A família agradece." Como resposta, um a pessoa identificada por "Rigoberto Gomes" falou-lhe: "Gostaria que entrasse em contato comigo".



Enviamos solicitação de amizade da rede facebook para esta sua irmã e para o Rigoberto Gomes. Este aceitou e sua irmã ainda não. Feito contato com o Rigoberto, ele se mostrou interessado em ajudar mas, apreensivo por algum motivo desconhecido. Não quer se comprometer e sofrer retaliações como o Helon está sofrendo. 

Uma campanha foi iniciada pelo Ricardo Ribeiro com seus amigos, que fez apelo ao ativista internacional Pró-Família Julio Severo, entre outros, e ao Secretário Geral da Anajure - Associação Nacional de Jurístas Evangélicos -, Zenóbio Fonseca. Dr. Zenóbio afirmou que estaria mobilizando seus Agentes Jurídicos para dar suporte ao Helon. Contudo, não foi possível até o momento localizar o engenheiro em Fortaleza.  As buscas continuam.

Hoje, recebemos novo contato do Helon, in box no facebook. Ele faz um novo apelo por socorro e reafirma ainda estar preso no Hospital Psiquiátrico. "Eu e minha esposa denise ainda continuamos presos no hospital de saude mental prof frota pinto em messejana fortaleza ce ha 45 dias nao estamos doentes nem tomamos medicacao alguma somos vitimas de perseguicao politico religiosa pedimos oracoes divulgacao na internet e apoio juridico pois estamos a merce da acao arbitraria daqueles que nos colocaram aqui ligue por favor chame por helon pavilhao 4    085  34740991".



A "Educação Domiciliar" é um método de ensino antigo nos países de primeiro mundo como EUA e Europa. Mas, no Brasil, esta modalidade ainda está engatinhando. Mas, já conta com mais de 1000 adeptos e já há um projeto de Lei sob o nº 3179/2012 de  autoria do Deputado Linconl Portela, para sua legalização, junto com a Deputada Dorinha e até uma bancada da "Educação Domiciliar".  O projeto prevê garantias as famílias que optarem pelo "Homeschooling" como também é conhecida esta modalidade educacional, sob a supervisão do Ministério Público e do MEC.







 Em Maringá, PR, um Juíz já se pronunciou favorável a um casal que demonstrou capacidade para educar seus filhos em casa. Clique aqui e aqui para ler.  Já existe inclusive, "Encontro Regional de Homeschooling" e até uma "AssociaçãoNacional de Educação Domiciliar", a ANED. https://www.facebook.com/pages/ANED/218995068154877?fref=ts






 Para o lendário Jurísta Brasileiro, Dr. Damásio de Jesus, no seu artigo "Educação domiciliar constitui crime?", ele assevera: "...dos diversos deveres inerentes à família, o de educação, que assiste aos pais em relação aos filhos menores, merece especial destaque, não tendo sido esquecido pela nossa Lei Maior, como ficou consignado: "Os pais têm o dever de assistir, criar e educar os filhos menores, [.]" (art. 229). Sobre o mesmo tema, a Carta Magna, em seu art. 205, determina: "A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho". A Lei de Diretrizes e Bases, por sua vez, apresenta a mesma redação (art. 2.º).

O CC, em relação aos filhos, prevê competir aos pais "dirigir-lhes a criação e a educação". E o art. 22 do ECA impõe aos pais o dever de "propiciarem o sustento, a guarda e a educação dos filhos menores" (Lei n. 8.069/90).

A obrigação de educação pode ser cumprida de dois modos: matriculando o filho em escola, isto é, garantindo-lhe o ensino formal (intelectual, acadêmico) ou ministrando-a no lar (instrução informal). Entende-se como tal aquela fornecida fora dos quadros do ensino escolar, ministrada por um sistema sequencial e progressivo, com duração variável, permitindo o pleno desenvolvimento da pessoa.

Se a CF impõe aos pais o dever de "educação" e, se ela pode ser escolar e domiciliar, admitindo as duas, esta última não pode ser considerada ilegal. O art. 246 do CP, portanto, não tipifica o fato do pai que deixa de matricular o filho na escola, mas sim o que não lhe providencia o devido ensino, seja formal ou domiciliar. Por isso, este não pode ser considerado delito de abandono intelectual. Falta-lhe tipicidade, sem necessidade de socorrer-se da eventual análise da elementar "sem justa causa" (elemento normativo do tipo)." Finaliza. Leia texto completo aqui.


Portanto, a prisão do engenheiro Helon e sua esposa, configuram grave afronta ao estado democrático de direito, às Famílias, às Crianças e aos Direitos Humanos. Devendo ser combatida em sua totalidade sob pena de generalizarem e passarem a prender todo pai de família que discorde das políticas LGBT do PT.

Para maiores informações sobre a 'Educação Domiciliar", entrem nos links:

Educação Domiciliar constitui crime? Dr. Damásio de Jesus.
http://www.cartaforense.com.br/conteudo/colunas/educacao-domiciliar-constitui-crime/5439

Juiz autoriza família a educar filhos em casa
http://espaco-vital.jusbrasil.com.br/noticias/2550150/juiz-autoriza-familia-a-educar-filhos-em-casa

Homeschooling é admitida para uma família do Paraná
http://lfg.jusbrasil.com.br/noticias/2550076/homeschooling-e-admitida-para-uma-familia-do-parana

Encontro Regional de Homeschooling:
http://encontrandoalegria.blogspot.com.br/2014/09/algumas-imagens-do-encontro-regional.html
http://encontrandoalegria.blogspot.com.br/

Por que eu não mando meu filho para escola? Homeschooling
https://www.youtube.com/watch?v=IzzJMw1y7Qw

Lute pelo Homeschooling ou Educação em Casa:
http://lutepelohomeschooling.blogspot.com.br/

Vantagens da Escola em casa:
http://www.brasilacimadetudo.com/2011/08/beneficios-da-educacao-domiciliar/

Projeto 3179/2012, que defende a "ESCOLA EM CASA", do Deputado Linconl Portela
http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=534328

Deputada Dorinha promove audiência pública sobre educação domiciliar
https://www.youtube.com/watch?v=suHpqkw2wbo

sábado, 4 de outubro de 2014

10 Razões para votar em Levy Fidelix.

1- Foi o único candidato a defender a família de forma clara e sem medo do "politicamente correto" - Diferente de Marina que confessou que seu programa de governo é igual ao da Gayzista e Maconheira da Luciana Genro;

2- Foi o único a não ter vergonha de se identificar como Cristão nos debates - Ao contrário de Marina que nega o Criacionismo e apoia o Ateísmo Evolucionista de Charles Darwim, se dizendo "Evangélica";

3- Foi o único a fazer menção do nome de Deus e a agradecê-lo nos debates; Aécio, Marina e Dilma, sequer citaram o nome Deus em algum momento, claro;

4- Foi o único a dizer abertamente que Não apoiará o "Casamento Gay e Adoção de filhos por homossexuais", e que não incentivará tais práticas embora respeite a liberdade civil de cada um. Mas, deixou claro que Protegera a Família;

5- Foi o único a denunciar os Comunistas do Foro de São Paulo que querem implantar o Marxismo na América Latina com apoio de Cuba e China, estabelecendo sistema de cotas, dividindo a população para enfraquecer sua resistência nacionalista;

6- Foi o único que tratou do tema de "Mobilidade Urbana" com seu inovador projeto do "Aerotrem", já implantado em vários países que sofrem com a superpopulação;

7- Foi o único que defendeu as Forças Armadas, o Patriotismo e que investirá pesado na segurança pública e cujo Vice é um Coronel da Polícia - Diferente de Aécio cujo Vice é um Ex-Terrorista de 64 que era parceiro de Dilma Houssef e diferente de Marina cujo Vice é um Ativista Gay. Caso ambos morram, teremos outro terrorista no poder ou um Ativista Gay tocando terror em cima dos Cristãos. Levy é a favor da PEC 300 e reposição salarial para os militares em 28%;

8- Foi o único que prometeu privatizar os Presídios e fazer os presos trabalharem;

9- Foi o único a prometer repressão e combate as Drogas que, ao contrário, serão incentivadas pelos loucos dos candidatos do PSOL Luciana e Eduardo;

10- Foi o único que romperá com a vinda de médicos Cubanos e investirá em médicos Brasileiros. 


Ricardo Ribeiro de França

Jornalista, Teólogo, Capelão e Conferencista. 




quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Levy Fidelix o próximo Presidente do Brasil. Gayzistas, Comunistas e Satanistas piram!


Veja as fotos de Aécio Neves em congresso comunista na Rússia 
em Mural da Revolução de Stalin e Lenim, pais do Comunismo Soviético.
Além do que, seu vice é um Ex-Guerrilheiro companheiro de guerrilhas
de Dilma. Todos querem processar Levy Fidelix por inventada homofobia, inclusive
o falso pastor Everaldo Pereira, que recebeu de Lula R$ 4,7 milhões para impedir
Marco Feliciano de sair candidato a Presidência, também repudiou a fala de Levy, 
como prova de que todos são cabeças do mesmo dragão Marxista-LGBT. 


Acima com o Senador e Ativista Gay Randoufo Rodrigues
que é inimigo declarado dos Cristãos e de Jair Bolsonaro. 


Com José Júnior do Afroregae que articulou junto com a Rede
Globo e o Movimento Gay, a prisão do Pr. Marcos Pereira. 


Aécio na Rússia em Congresso Comunista. 


Vice de Aécio, Senador Aloysio Nunes, Ex-Guerrilheiro Comunista.


terça-feira, 30 de setembro de 2014

Site Terra afirma que Levy Fidelix subiu 1000% em curtidas na sua página no Facebook após declarações.



O site gayzista "Terra" afirmou aqui, que o candidato Levy Fidelix, subiu 1000% nas curtidas em sua página no facebook, depois de sustentar o que 98% dos brasileiros pensam a respeito do Ativismo Gay. Após isso, como de costume, começou o mi, mi, mi e escândalos dos que não aceitam ser contrariados e já mobilizaram os cofres esquerdistas do Gayverno para perseguirem também ao Levy Fidelix. Mas, é tudo que ele realmente está precisando, de visibilidade e graças a tropa enfurecida LGBT, ele conseguiu e poderá fazer uma grande e desagradável surpresa para ela. Nas Redes Sociais, muitos que votavam em Aécio Neves e Marina, desistiram depois de saberem que estes junto com Dilma, querem processar ao Levy Fidelix por suas declarações em favor da Família Natural e da Pátria, visto que ele também teve a coragem de denunciar ao Foro de São Paulo. 

Conservadores, saiam dos 195 milhões de armários do Brasil! É hora de vir à luta e levantar a bandeira da Defesa da Familia. Nada de ficar em cima do muro! Nada de ficar com duas conversas no melhor estilo Marinense. Nada de querer nossos votos e defender a comunidade Sodomita como fazem Dilma e Aécio. Vos convido para a realidade nua e crua de um Brasil abandonado pelas suas lideranças políticas que odeiam as forças armadas e servem ao Marxismo Comunista Islâmico Internacional. Nos restando apenas um senhor de 62 anos que disse em cadeia nacional de TV, por um milagre providencial dos céus, o que todos nós queríamos dizer se lá estivéssemos.Levy Fidelix é a resposta às nossas orações e aspirações legítimas. Um verdadeiro Gideão para enfrentar os Gaydianitas. Um verdadeiro Sansão para enfrentar os Sodomisteus. Baixinho, bigodudo e invocado, ele é tudo que nós queríamos para encher o peito e dizer aos quatro ventos: "AGORA EU TENHO UM REPRESENTANTE!". Macho o suficiente para bater no cartel narco-traficante do Foro de São Paulo. Corajoso o suficiente para enfrentar o vespeiro LGBTXRUY@#%%. Deus permitiu que este último debate provasse para todo o Brasil, quem de fato está a favor do cidadão brasileiro, de família, trabalhador e decente. Dilma, Marina e Aécio, provaram ser falsos ao querer processar por uma inventada homofobia, a um homem de vida ilibada que se expressou à luz da ciência biológica e fisiológica. Mas, a esquerdopatia é tão forte nos vermelhos, que além de querer mudar as sagradas escrituras para seu bel prazer, eles agora querem também remover os milenares marcos antigos da ciência. Eu sei que você não é idióta, para após testificar de tamanha afronta, como cristão ainda votar nesta corja comunista capachos serviçais de Cuba e China. 
Jornalista Ricardo Ribeiro

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Massacre de Nanking - Horrores na China perpetrados pelo Japão.

boy


Nanking é uma antiga cidade localizada no Sudeste da China, às margens do rio Yangtze, que já serviu de capital chinesa em mais de um momento. Edificada no século XIV, a cidade possui áreas verdes, templos, edifícios antigos e uma vasta muralha erguida ainda em sua fundação, além de uma vida urbana típica de uma grande cidade. Mas essa mesma Nanking sofreu uma tragédia que até hoje se mantém na mente daqueles que sobreviveram e que afeta as relações da China com o Japão, algo que ficou conhecido em chinês como Nanjing DatushaMassacre de Nanking.
No dia 13 de Dezembro de 1937, a então capital Nanking foi conquistada por tropas japonesas após quatro dias de confronto. Era o início dos conflitos acirrados da guerra entre China e Japão. Da data de sua tomada até meados de Fevereiro de 1938, em torno de três meses, Nanking viu mais de 200.000 de pessoas serem mortas, além de cerca de 20.000 mulheres serem estupradas (falarei dos números mais à frente).  Este é, em resumo, o chamado Massacre de Nanking. Meu intuito desse texto é apresentar um panorama geral de seus elementos, tentando mostrar quais são os principais problemas e polêmicas que atualmente envolvem este tema.
A guerra entre China e Japão
A II Guerra Sino-Japonesa ocorreu de 1931 a 1945 (a I Guerra se deu na segunda metade do século XIX pelo controle da Coreia, fundamentalmente). Iniciou-se com a tomada japonesa da Manchúria, região ao norte da China, seguida do estabelecimento do Estado-fantoche de Manchukuo. Seus motivos foram basicamente econômicos: a economia japonesa havia visto um crescimento ao longo da década de 1920, mas sofreu com o quadro internacional da Crise de 29. A invasão da Manchúria aconteceu principalmente para se conseguir mercado consumidor e matérias-primas, mas o Japão chegou a instalar fábricas nessa região.
 Apesar de tropas japonesas ficarem sobretudo alocadas em Manchukuo, os conflitos apenas se acentuaram em 1937. Em 7 de julho desse ano, um enfrentamento entre tropas chinesas e japonesas na Ponte Marco Polo, arredores de Peking, acirrou o conflito. A partir desse momento, o Japão segue para Sul rumo ao Yangtze, alcançando Xangai por terra em Outubro/Novembro (mapa abaixo). Xangai já vinha sofrendo investidas japonesas há alguns meses, muitas delas por ataques aéreos ou anfíbios, mas foi com o avanço japonês de finais de outubro e meados de novembro que as tropas chinesas recuaram e a cidade foi tomada.
“Sábado Sangrento” é o nome dessa foto que se tornou famosa, onde há um bebê chinês chorando em meio a uma estação ferroviária completamente destruída. Foi tirada por Wong Hai-Sheng em 28 de Agosto de 1937, poucas horas após um bombardeamento aéreo japonês.
Com Xangai tomada, o Japão rumou para Nanking, cidade situada a Oeste. A derrota de Xangai e a continuidade do avanço japonês fizeram que ocorresse uma fuga de Nanking tanto das pessoas que possuíssem alguma condição para isso quanto do próprio aparelho estatal-burocrático chinês existente na capital. Iris Chang, em The rape of Nanking: the forgotten holocaust of World War II, conta que, quando as tropas japonesas chegaram em Nanking, a cidade estava habitada apenas por aqueles pobres, velhos ou doentes demais para fugir, além de pessoas que moravam em pequenos vilarejos próximos e procuraram refúgio nas muralhas da capital.
A Zona de Segurança de Nanking
A conquista de Xangai também causou um importante acontecimento em Nanking: alguns dos estrangeiros que lá residiam decidiram se unir e estabelecer uma Zona de Segurança, a Oeste do centro da cidade, para proteção daqueles que desejassem se refugiar e para organização da cidade nos primeiros momentos de ocupação.

Mapa da Zona de Segurança
A Zona de Segurança de Nanking foi organizada e gerida pela Comissão Internacional da Zona de Segurança de Nanking, a qual contava com cerca de vinte estrangeiros de origem europeia ou estadunidense. A Comissão acabou exercendo importantes funções administrativas com a desorganização da cidade e a brutalidade dos soldados japoneses. Seu “cabeça-chefe” foi um empresário alemão chamado John Rabe, líder do partido Nazista em Nanking.

John Rabe (1882-1950), no centro da foto usando óculos.
Nessa Zona de Segurança organizaram-se campos de refugiados com centenas de milhares de pessoas. Os membros da Comissão se esforçavam para protegê-las das possíveis investidas japonesas e garantir-lhes a subsistência. A atuação de Rabe foi fundamental nesses aspectos; além de ter feito de sua própria casa um local para refugiados, relatos de seu diário e dos escritos dos demais membros da Comissão falam de suas saídas pela cidade e confrontos com soldados japoneses que estavam para cometer algum atentado, confrontos esses que muitas vezes (mas nem sempre) se resolviam graças à suástica nazista que Rabe portava.
A Zona englobava uma região com edificações importantes, como escolas, prédios governamentais, a Universidade de Nanking e – talvez a instalação mais destacável – o Hospital da Universidade de Nanking, o único a se manter em atuação durante o período e que contou apenas com um cirurgião estadunidense: Robert Wilson.

Robert Wilson (1904-1967)
A tomada de Nanking fez com que os demais hospitais existentes fossem fechados. Ademais, os japoneses vetaram que qualquer médico se propusesse a trabalhar no Hospital da Universidade. Sua gestão recaiu sobre Wilson, que contava com a ajuda de algumas enfermeiras e dos demais membros da Comissão.
Um terceiro membro da Comissão que me sinto na obrigatoriedade de destacar é Minnie Vautrin. Missionária norte-americana, Minnie ocupava o cargo de diretora do Colégio Ginling, que era voltado para o público feminino, durante a época do Massacre. Ela transformou o campus do Colégio em um grande campo de refugiados principalmente para mulheres, e muito atuou para evitar que elas não sofressem violências físicas dos soldados japoneses.

Wilhelmina (Minnie) Vautrin (1886-1941)
Vautrin cometeu suicídio em 1941, em seu apartamento localizado em Indianápolis, Estados Unidos. As lembranças do que ocorreu em Nanking jamais deixaram de assombrá-la.
A Comissão foi dissolvida em 18 de Fevereiro de 1938 e deu lugar ao Comitê Internacional de Assistência de Nanking, que contou com a participação municipal e japonesa para a administração da cidade. Os membros estrangeiros que organizaram e administraram a Zona não apenas conseguiram salvar um grande contingente de refugiados, como também nos deixaram diversas cartas e diários pessoais importantíssimos tanto para estudo quanto para conhecimento de pelo menos parte do que aconteceu em Nanking.
As Violências
As violências em geral começaram assim que Nanking foi tomada. Uma guarnição de soldados havia sido deixada para sua defesa, mas, como mencionei no início do texto, os japoneses a derrotaram após quatro dias de litígio. Rendidos, os soldados chineses foram capturados como prisioneiros de guerra ou desertaram e tentaram se misturar aos civis. Os prisioneiros foram todos mortos após alguns dias de cativeiro; quanto aos que desertaram, a procura por eles foi um dos motivos que levaram a grande número das violências executadas.
Pilhagens, depredações e incêndios de construções foram atitudes corriqueiras, mas os homicídios e diversas formas de violência sexual são as questões de destaque. A população civil começou a ser atacada ainda no dia 13. Parte significativa sofreu agressões dentro de suas próprias casas, pois a busca por desertores e mantimentos fez com que os soldados japoneses visitassem os domicílios. Além disso, nem aqueles que se refugiaram dentro da Zona de Segurança estavam de fato salvos dos japoneses, o que pode ser confirmado por diversos casos relatados nos escritos deixados pelos membros da Comissão.
Os assassinatos foram executados das formas mais diversas possíveis: tiros, golpes de baioneta, decapitação por espada, enterramento vivo, combustão, etc. Matava-se independentemente da idade, condição social, gênero ou estado de saúde da vítima. Enfermos, deficientes e grávidas também eram mortos.
 
Muitos dos homicídios eram feitos na forma de joguinhos ou por simples pilhéria, como pode ser visto nas imagens abaixo.
 
A cabeça desse homem chinês foi colocada em um dos limites da cidade com um pequeno cigarro na boca, como se ele estivesse apenas “admirando a paisagem”.
Nessa foto, reparem que o soldado ao centro da imagem sorri com uma katana na mão direita e uma cabeça na mão esquerda. Ao seu redor, podemos notar vários corpos.
Já nessa foto tirada momentos antes de uma execução, notem que o soldado da direita aparenta estar sorrindo com a cena.
Já as violências sexuais ocorriam principalmente na forma de estupros. Mulheres de todas as idades poderiam ser vítimas, possuíssem 8 ou 80 anos. O local de ocorrência não parecia importar. Condição física, idem. Meninas, senhoras, sacerdotisas (violar votos de celibato era um dos maiores prazeres), idosas, grávidas (recente, avançada, em pós-parto ou até em trabalho de parto).
Corpos de mulheres estupradas e mortas. Alguns são corpos de crianças.
Essa foto exemplifica uma prática que foi usual: a inserção de algum objeto, como taco de golfe ou garrafa de cerveja, nas partes íntimas da vítima de estupro, de forma a causar maiores danos internos. Nesse caso, foi utilizado, pelo que consegui distinguir, um pedaço de galho.
Outra prática também corriqueira era a ordem para incesto. Obrigava-se que as mulheres tivessem relações com seus pais, irmãos e filhos. Caso estes se recusassem, poderiam ser mortos. A morte era algo muito relacionado a tais atos de violência sexual. Não apenas as mulheres costumavam ser mortas após os estupros – algo que se fazia como forma de impedir que delatassem o ocorrido -, mas também aqueles que porventura estivessem com elas (filhos pequenos, irmãos, amigos, primos, pais, etc.) e que tentassem impedir os estupros ou importunassem os soldados japoneses. O relato seguinte é bastante exemplar desse tipo de ocorrido. O caso aconteceu no dia 13 de Dezembro de 1937, numa casa a Sudeste da cidade:
“Eles invadiram a residência assim que o proprietário abriu a porta e desferiram-lhe um tiro, matando-o. No interior da casa, assassinaram outros dois adultos, um homem e uma mulher, a tiros e golpes de baioneta. Em seguida despiram a esposa do proprietário e a estupraram no local. Após o estupro, mataram-na com um golpe de baioneta no peito. Quando pilhavam a casa, encontraram os avós e suas netas adolescentes. Os idosos foram assassinados pelos soldados a tiros de revólver. Em seguida as jovens foram abusadas sexualmente. Uma delas, de 16 anos, foi estuprada por dois soldados, e a outra, de 14 anos, por outros três.”
(Retirado de: SILVA, Altino S. O “Massacre de Nanking” e a violência de gênero contra as mulheres, China (1937-1938). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais, 2011, 164 páginas. Pág. 116.)
Nem todas as vítimas de estupro morriam. Algumas conseguiam sobreviver apesar de feridas, e foram salvas graças aos tratamentos recebidos no Hospital da Universidade de Nanking. O caso mais marcante de uma sobrevivente foi o de Li Xouying, na época com 19 anos e grávida de 7 meses: a gravidez não a permitiu acompanhar seu marido na fuga de Nanking antes da cidade ser tomada. Sofreu 37 golpes de baioneta, mas sobreviveu para contar sua experiência até anos depois de terminada a Guerra. Em uma entrevista concedida em 1997, ela afirmou: “trinta e sete vezes os japoneses me baionetaram, trinta e sete vezes. Alguns da esquerda, outros da direita. Eu não tenho simpatia pelos japoneses. Ainda os odeio. Eles me fizeram um mal horrível, e me devem compensação.” (Retirado de: http://www.cnd.org/mirror/nanjing/nmnwe97.html. Traduzido livremente).
Estupros como uma arma de guerra
Não é necessário muito esforço retórico para dizer que os estupros em Nanking podem ter sido uma “arma de guerra” contra os chineses. Afirmar isso é dizer que foram atos, premeditados ou não, que usavam as mulheres como forma de atacar a lógica paternalista da sociedade e afetar os homens. O fato de tanto China quanto Japão serem sociedades paternalistas e dos soldados japoneses não terem sofrido represálias de seus superiores endossa tais argumentações.
Há um pesquisador brasileiro chamado Altino Silva que relativiza esse ponto.  Em sua Dissertação de Mestrado, Silva comenta que, na cultura chinesa, o estupro de uma mulher era um atentado simbólico contra sua família e seu grupo de origem, e que o Alto Comando japonês era ciente desse fato. Dessa forma, talvez os estupros em Nanking tenham sido sim uma forma de arma bélica para o Alto Comando, mas não exatamente para os soldados que os cometiam.
Para os soldados que estão em um território distante de suas casas, o ponto fundamental dos estupros é o sexo. Sexo pelo sexo. Mas isso não significa que outros elementos não interferem nos atos. Na abordagem de Silva, os estupros de Nanking foram motivados pelas ideias de superioridade japonesa, fomentada pelas recentes vitórias militares, superioridade masculina – constituinte da cultura japonesa – e um sentimento de corporativismo militar por aqueles que se encontravam atuando fora de seu país, o que impediu denúncias de um soldado contra outro. Assim, nos estupros há uma afirmação de uma identidade de homem-conquistador sobre uma identidade de mulher-conquistada.
Números e reconhecimento do Massacre
O Massacre de Nanking se tornou um dos símbolos da II Guerra entre China e Japão, além de ser um dos principais símbolos da II Guerra Mundial na Ásia. Visto que se tratou de algo marcante, o evento acaba sendo ponto de polêmica entre China e Japão, especialmente quando é utilizado para uma vitimização chinesa seguida de crítica ferrenha aos japoneses. Estes, por outro lado, defendem-se tentando amenizar ou negar a existência do Massacre.
Na introdução deste texto, mencionei que o número de vítimas mortas girou em torno de 200 mil e o de mulheres estupradas, 20 mil. Essas são as cifras oficiais do Tribunal de Tóquio, reunido entre 1946 e 1948 para julgamento das ações japonesas durante a guerra. Os números variam fortemente de pesquisador para pesquisador. Em geral, chineses costumam aumentar esses números enquanto japoneses o diminuem. Felizmente, isso não é uma regra única, havendo concordata entre muitos estudiosos desses países e de outras nacionalidades.
O trecho a seguir, extraído de um artigo e traduzido por mim, ilustra bem esse quadro de divergências:
“Katsuichi Honda, enquanto concorda com Chang [Iris Chang, escritora já mencionada neste texto, postula que foram mortos cerca de 300 mil chineses], acredita que entre 100.000 e 200.000, ao invés de 300.000, chineses foram mortos em Nanking. En-Han Lee, da Academia Sinica de Taiwan, sugere que o número de mortos é ainda maior, entre 300.000 e 350.000. Higashinakano Shudo, professor de história intelectual e revisionista extreme, clama que a história do massacre não é nada mais que a compilação de evidências de boatos. Masahiro Yamamoto é mais moderado. Ele acredita que foram mortos de 15.000 a 50.000 nas seis semanas seguintes à captura da cidade, em sua maior parte homens adultos. A grande maioria foram soldados sem seus uniformes. As perdas totais na cidade e nos arredores, ele conclui, foram entre 45.000 e 65.000, sendo que em torno de 20.000 eram civis.”
(GORDON, David M. The China – Japan War, 1931-1945. The Journal of Military History, 70, nº 1, 2006, pp. 137-182. Pág. 156.)
Mas ainda mais problemáticas são as negações de que tenha ocorrido o Massacre. Os exemplos a seguir são as falas de dois intelectuais japoneses durante um encontro de historiadores ocorrido no ano de 1995, em Tóquio. Eles estavam respondendo às indagações de historiadores americanos acerca do motivo de os japoneses serem tão relutantes em aceitar e responder pelo ocorrido em Nanking. As traduções também foram feitas por mim.
Ito Takashi: “Para mim, pedir perdão por coisas que não podem ser averiguadas como fatos é muito difícil. Como é se desculpar por coisas que não podem ser certificadas, como o Japão ter matado 300.000 ou 400.000 pessoas?”
Kojima Noboru: “Eu concordo. Deve-se admitir os crimes cometidos, mas é inapropriado se dizer para admitir os crimes não cometidos.”
(Falas retiradas de: Kojima et al., Jinrui wa senso o fusegeru ka, esp. pp. 292-94. In: YANG, Daqing. “The Chalenges of Nanking Massacre: Reflections on Historical Inquiry”. In: FOGEL, Joshua A. (ed.). The Nanking Massacre in History and Historiography. Bekerley: University of California Press, 2000. Pág. 169.)
Esses impasses ainda estão longe de serem resolvidos. Felizmente, há pessoas que buscam estudar o Massacre de Nanking de forma a fazer jus ao acontecido, não apenas tentando defender seu país. O tema tem recebido maior destaque internacional desde meados da década de 1980, atraindo estudiosos de outros lugares do mundo, principalmente dos Estados Unidos. Talvez, esse envolvimento de indivíduos de outras nacionalidades tenha influenciado para que chineses e japoneses procurassem entender o Massacre sem fazerem, de forma implícita ou explícita, uma apologia a seus países.
Falar sobre o Massacre de Nanking é uma forma de honrar aqueles que sofreram os atentados na cidade, tanto os que sobreviveram quanto os que infelizmente não tiveram essa sorte. A meu ver, não há como negar as fotos, os escritos em diários nem os relatos dados pelos sobreviventes. Não importa realmente quantos foram mortos, estuprados, roubados, atacados ou sofreram qualquer outro tipo de violência. O que importa é que tais violências aconteceram, e deixaram suas marcas diversas.
Abaixo das referências, coloquei dois bons sites com números consideráveis de fotos e documentos.
CHANG, Iris. The rape of Nanking: the forgotten holocaust of World War II. New York: Penguin, 1997.
GORDON, David M. The China – Japan War, 1931-1945. The Journal of Military History, 70, nº 1, 2006, pp. 137-182.
HEIT, Shannon. Waging Sexual Warfare: Case Studies of sexual warfare used by Japanese Imperial Army during World War II. Women’s Studies International Forum, 32, 2009, pp. 363-370.
SILVA, Altino S. O “Massacre de Nanking” e a violência de gênero contra as mulheres, China (1937-1938). Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Espírito Santo, Centro de Ciências Humanas e Naturais, 2011, 164 páginas.
YANG, Daqing. “The Chalenges of Nanking Massacre: Reflections on Historical Inquiry”. In: FOGEL, Joshua A. (Ed.). The Nanking Massacre in History and Historiography. Bekerley: University of California Press, 2000.
YOUNG, Shi; YIN, James. The Rape of Nanking: An Undeniable History in Photographs. Chicago: Innovative Publishing Group, 1997.

Revisado por Bruno Oliveira.

terça-feira, 24 de junho de 2014

Capacete de bombeiro inovador usa realidade aumentada para ajudar a salvar vidas

Bombeiros são heróis de verdade, que precisam ser rápidos como o Flash e fortes como o Superman para combater o vilão fogo. Quando o alarme soa no quartel, eles têm pouco mais de 1 minuto para ficarem prontos e, dentro do local que está em chamas, não têm mais do que 6 minutos para entrar, salvar as vítimas e sair.
O problema é que os equipamentos utilizados hoje em dia em missões de resgate ainda são bastante arcaicos e entrar em um prédio que está pegando fogo não é tarefa fácil. Por que, então, não utilizar os benefícios da realidade aumentada para auxiliar o trabalho dos bombeiros? O designer Omer Haciomeroglu projetou o C-Thru, um capacete tecnológico que tem quatro ferramentas principais para ajudar na hora do resgate:
1. O visor traz um sensor térmico que mostra as zonas de calor do ambiente em tempo real;
2. Por ser difícil enxergar pela fumaça densa, outro sensor consegue definir a forma do ambiente e do mobiliário, permitindo a movimentação do bombeiro;
3. O capacete traz um recurso importante de cancelamento de ruído seletivo, que ao mesmo tempo que bloqueia o barulho das chamas, enfatiza gritos de socorro e ruídos que indiquem paredes ou tetos que tenham sido destruídos.
4. O recurso anterior permite também a existência de um sistema de comunicação simplificado entre os bombeiros da equipe.
Capacete com realidade aumentada para bombeiros
Capacete com realidade aumentada para bombeiros
Capacete com realidade aumentada para bombeiros  Capacete com realidade aumentada para bombeiros
Capacete com realidade aumentada para bombeiros
Capacete com realidade aumentada para bombeiros
Todas as fotos © Omer Haciomeroglu

O C-Thru ainda está em fase de testes e é utilizado no departamento de bombeiros da cidade de Umea, na Suécia. Quem sabe essa tecnologia possa facilitar o trabalho destes bravos profissionais e ajudar a salvar ainda mais vidas.

Fonte: Hypeness

"Paulo Teixeira sairá candidato no lugar de Rubens Teixeira" - Um grande aliado Pró-Família.

 Rubens Teixeira optou por não candidatar-se, mas terá o irmão como opção para o Rio de Janeiro. 



Após optar por não concorrer a um cargo eletivo nas próximas eleições, mesmo diante do pedido de diversos grupos, Rubens Teixeira, co-autor do livro “As 25 Leis Bíblicas do Sucesso”, best-sellers que já vendeu milhares de cópias, anunciou que irá apoiar a candidatura de seu irmão, Paulo Teixeira, para ocupar uma vaga na Câmara dos Deputados.

Paulo Teixeira é tenente do Exército e conhecido da comunidade carioca por prestar um trabalho voluntário de ensino pré-vestibular em comunidades carentes do Rio de Janeiro. Pastor da Assembleia de Deus Ministério de Madureira, Paulo herda a base de apoio que seria de Rubens. A pré-candidatura dele foi muito aplaudida, pois Paulo Teixeira tem um perfil conservador e extremamente crítico, a exemplo de Rubens.

Além de receber o apoio de igrejas evangélicas Teixeira também contará com o apoio de bacharéis em Direito, militares, e muitas comunidades carentes. Paulo Teixeira é formado em Matemática e está se graduando em História.

O pastor ficou conhecido no Brasil por ser constantemente mencionado por Rubens Teixeira em suas entrevistas. Paulo foi quem financiou os estudos de Rubens quando o escritor ainda vivia em situação de extrema pobreza.

A pré-candidatura de Paulo foi bastante comemorada entre líderes e grupos que desejavam ver Rubens Teixeira ocupando um cargo eletivo. Paulo deve sair candidato ao cargo de Deputado Federal.

Fonte: Gospel Prime

O verdadeiro motivo da saída de Joaquim Barbosa.

JOAQUIM BARBOSA SABE, EXATAMENTE, O QUE ACONTECERÁ NO PAÍS COM  O DECRETO 8.243/2014 E POR ISSO PREFERIU SAIR DO QUE MORRER! 



Transcrevo mensagem eletrônica recebida:
“É impressionante como o PT conseguiu disseminar o medo entre o povo da classe média, pelo menos por aqui no nordeste, em particular entre os profissionais liberais e mais ainda entre aqueles que ocupam cargos públicosno governo, seja no âmbito municipal, estadual ou federal.
Aqui no nordeste a realidade é totalmente diferente do sudeste, pois como aqui corre menos $$$ o cara ou é profissional liberal, engenheiro civil, médico, dentista ou advogado, ou fez um concurso e é funcionário público e depende daquele emprego para viver, pois não há outro, já que a oferta é mínima e o cara depende unicamente de ser aprovado em concurso público.
Ontem eu enviei um e-mail sobre “O teorema do Mensalão” ao Grupo que cursou direito comigo; recebi ontem mesmo um e-mail de um cara do Grupo pedindo por favor que eu não enviasse mais e-mails ao grupo criticando o governo federal do PT; também um cara amigo que é engenheiro e foi para Rio Branco no Acre como diretor técnico da Eletrobrás fez pedido idêntico e foi explícito na razão do seu pedido.
Ou seja, não é somente porque aqui no nordeste imperou o “cabresto” político por 100 anos não, embora isso tenha sua parcela de influência.
É que os caras estão com muito medo mesmo dos Militantes do PT, que são verdadeiras policias secretas nas instituições públicas, exercendo coerção ostensiva sobre aos demais funcionários.
Se o PT continuar no poder, logo, logo assistiremos essa coerção se disseminar pelo país, sobre os cidadãos também.
Escolhi a dedo para quem estou enviando este e-mail, excluindo todo o pessoal daqui para não causar constrangimentos!
É viver para ver!
A verdade sobre a saída de Barbosa do STF
Havia um certo mistério no repentino pedido de Joaquim Barbosa por uma aposentadoria que o afastaria de vez do STF. Não há mistério nenhum. Joaquim Barbosa está no poder, logo é um homem que sabe o que se passa nas esferas governamentais e logo que Dilma aplicou o Golpe de Estado ao assinar um Decreto que enterrará de vez com a democracia, Barbosa não teve dúvidas e pediu para sair. Barbosa é um homem que sabe demais, era um entrave nas pretensões golpistas do PT e não iria arriscar a pele para salvar o Brasil sozinho.
As ameaças de morte vieram de dentro do PT, de um membro da “comissão de ética” do partido. Desde que o julgamento do mensalão foi concluído, em novembro do ano passado, o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, tornou-se alvo de uma série de constrangimentos orquestrados por seguidores dos petistas condenados por envolvimento no maior escândalo de corrupção da história. A chamada “militância virtual” do PT, treinada pela falconaria do partido para perseguir e difamar desafetos políticos do petismo na internet, caçou Barbosa de forma implacável. O presidente do Supremo sofreu toda sorte de canalhice virtual e foi até perseguido e hostilizado por patetas fantasiados de revolucionários nas ruas de Brasília.
Os ataques anônimos da patrulha virtual petista, porém, não chegavam a preocupar Barbosa até que atingiram um nível inaceitável. Da hostilidade recorrente, o jogo sujo evoluiu para uma onda de atos criminosos, incluindo ameaças de morte e virulentos ataques racistas. Os mais graves surgiram quando Joaquim Barbosa decretou a prisão dos mensaleiros José Dirceu, Delúbio Soares e José Genoíno. Disparadas por perfis apócrifos de simpatizantes petistas, as mensagens foram encaminhadas ao Supremo. Até em um blog supostamente de Dilma Rousseff oi colocado umpost com a imagem de um macaco, fazendo críticas à Joaquim Barbosa, numa atitude porca, suja e sem qualquer vínculo com a moral que seu cargo requer.
Em uma delas, um sujeito que usava a foto de José Dirceu em seu perfil no Facebookescreve que o ministro “morreria de câncer ou com um tiro na cabeça” e que seus algozes seriam “seus senhores do novo engenho, seu capitão do mato”. Por fim, chama Joaquim de “traidor” e vocifera: “Tirem as patas dos nossos heróis!”. Em uma segunda mensagem, de dezembro de 2013, o recado foi ainda mais ameaçador: “Contra Joaquim Barbosa toda violência é permitida, porque não se trata de um ser humano, mas de um monstro e de uma aberração moral das mais pavorosas (…). Joaquim Barbosa deve ser morto”.
Temendo pela integridade do presidente da mais alta corte do país, a direção do STF acionou a Polícia Federal para que apurasse a origem das ameaças. Dividida em dois inquéritos, a averiguação está em curso na polícia, mas os resultados já colhidos pelos investigadores começam a revelar o que parecia evidente.
O homem que desejava atentar contra a vida do presidente do Supremo usava um computador de Natal (RN) e o codinome de Sérvolo Aimoré-Botocudo de Oliveira. Os agentes federais descobriram que o nome verdadeiro do criminoso é Sérvolo de Oliveira e Silva – um autêntico representante da militância virtual petista, mas não um militante qualquer.
Além de admirador de José Dirceu e Delúbio Soares e um incentivador do movimento “Volta, Lula”, o cidadão que alimenta o desejo de ver uma bala na cabeça do presidente do STF é secretário de organização do diretório petista de Natal e membro da Comissão de Ética do partido no Rio Grande do Norte.
Também é conselheiro do vereador petista Fernando Lucena na Câmara de Natal e atua como agitador sindical nas greves e movimentos da CUT no estado. Apesar de ainda exercer oficialmente todas essas funções, Sérvolo sumiu da cidade e o “Botocudo” saiu do ar. Localizado pela VEJA, Sérvolo de Oliveira confirma que, de fato, foi o autor da ameaça, mas alega que não pretendia matar o ministro do Supremo, embora, segundo diz, ele mereça morrer.
Com o Decreto 8.243, antidemocrático e repleto de aberrações jurídicas assinado por Dilma, ficou claro para Barbosa que a bandidagem neste país está acima de lei. Ele mesmo já havia dito isto, quando houve influências vinda da Papuda para o relaxamento de prisões de José Dirceu, Delúbio Soares e José Genoíno. O decreto assinado por Dilma encerra as atividades congressistas, ou seja, o congresso seus senadores e deputados se tornam obsoletos e portanto, deixam de existir, assim como deixam de existir as eleições em 2014 para Presidente da República. O STF se tornará um mero departamento do PT e todo o tipo de aberração se dará daqui para adiante, pois com todos os Juízes manipulados pelo dinheiro e pelo poder do PT, todos os mensaleiros estarão livres e fora da cadeia. Joaquim Barbosa não quer compactuar com toda esta sujeira sórdida, imunda e nojenta, não iria querer enfrentar o poder e ter o risco de ser eliminado pelos psicopatas do PT. E foi por estas e tantas outras, que Barbosa pediu sua aposentadoria. Barbosa com certeza irá sair do país, não irá viver nesta terra de bandidos, corruptos e terroristas e muito menos irá querer viver com a ausência de democracia e debaixo de um regime comunista. Há boatos que Joaquim Barbosa iria para os Estados Unidos viver lá com sua família, longe do inferno bandido e da escravidão que o povo será submetido.
Barbosa sabe ainda, que não teremos mais eleições no Brasil e sim uma grande convulsão nacional que será arquitetada pelo governo terrorista para insuflar uma guerra de classes. Sabe também que muitos serão presos, perseguidos, exilados, torturados e assassinados pela ditadura do terror e do medo. Sabe também quehaverá expropriações, desapropriações, tributação e confiscos e que o Brasil terá um regime totalitário controlado por terroristas, bandidos e os revoltados dos movimentos sociais. Sindicatos, ONGs do governo, organizações de esquerda, intelectuais comunistas, índios, militantes do PT e da esquerda, líderes do Sem teto e dos Sem Terra, governarão o país sob a tutela do PT. São essas trupes esquerdistas revolucionárias que ditarão os ensejos populares, que irão propor via PT, as mudanças que o país precisa para ser igualitário socialmente. Eles serão o trampolim para uma nova constituição comunista e para as novas leis que submeterão o país à uma ditadura comunista.
Joaquim Barbosa estava sozinho, ameaçado e lutando contra um sistema político sem lei e sem moral. Não teve o apoio necessário do povo, da grande classe idiotizada e omissa que permitiu que o país chegasse onde chegou. Ninguém iria arriscar a pele para morrer por um bando de idiotas que não fazem nada pelo país e que ficam sentados em suas confortáveis cadeiras, sentando o pau no governo pelas redes sociais, mas que são incapazes de se agruparem, se organizarem e formarem uma barreira contra este governo e contra essa esquerda sórdida, canalha e traidora da pátria, que avança impiedosamente para golpear a nação. Joaquim Barbosa esteve à frente de um grande dilema, lutar e morrer como um mártir ou sair e viver em paz, longe deste país de covardes, de bandidos e de terroristas. Prevaleceu o bom senso e Barbosa foi sábio e salvou sua própria pele. Barbosa é um homem que sabe demais, sabe inclusive o que ainda não sabemos e já prevendo o grande inferno vermelho, fez o que muitos brasileiros ainda irão fazer. “PEDIR PARA SAIR”.
Fonte:  Blog  Uptualiza.com

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Suposta foto de Xuxa masturbando jovem enquanto dirige carro, circula na Internet.


Não é de agora que o Brasil e o Mundo sabem que a "rainha dos Baixinhos" - Título dado pela
Globo à Xuxa -, tem um fascínio pela pornochanchada. Tanto que inclusive, os EUA estão divulgando
uma exibição de suas obras pornôs, clique aqui para ver. 

Mas, corre solta na internet, aqui e aqui,  uma cena inacreditável que provaria a insanidade da suposta loira em busca do prazer sexual, ao dirigir um automóvel enquanto masturbaria um jovem. Ontem Xuxa participou a convite do PT na pessoa da Presidente da Comissão de Direitos Humanos Ideli Salvati, da votação da Lei da Palmada, que visa acabar com a autoridade dos pais, afim de facilitar
a doutrinação Marxista nas escolas públicas, bem como quebrar a resistência das famílias na aceitação
da Homossexualidade Esquerdista - Já que homossexuais conservadores não se deixam ser usados
como idiótas úteis assim. Claro que eles jamais dirão tal verdade, apresentando apenas desculpas secundárias. Mas sabendo um pai não poderá sequer reprender seu filho por comportamentos errados
à luz da sua tradição cristã milenar, que estaria sujeito a ser encaminhado até para psiquiátras e ser internado como louco, é claro que isso quebra a resistência à toda imposição subversiva Comunista no Brasil. Por isso a Rússia não aceita que lá tais leis tenham aceitação e muito menos aprovação. 

O fato é que em dado momento da reunião, o Deputado Federal e Pastor Francisco Eurico, disse o
que todo mundo tá cansado de saber, que Xuxa fêz um filme Pedófilo com uma criança de 12 anos e
hoje não mostrando nenhum arrependimento, tenta sensibilizar a opinião pública se dizendo vítima da
pedofilia, chegando a convencer o Bobo da coorte do PT, o Magno Malta, que chegou ao cúmulo de lhe
convidar para combater a pedofilía, leia aqui - Nenhum pedófilo preso teve essa chance como a Xuxa teve, não é?

Xuxa precisa mesmo é se arrepender e dizer isso a nação. Só com isso ela poderá deter o ódio de milhões
de brasileiros que suportam toda a farsa que ela encena enquanto corrói a inocência de nossas crianças ao
longo dos anos. Mediante o arrependimento, há o perdão e o apoio. Mas, sem isso, não há chances de
aceitação por mais que ela chore lágrimas de crocodilo. 

Jornalista Ricardo Ribeiro de França
Editor

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...