quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Os terríveis Gulags Comunistas da Coreia do Norte.

111717564.0.0

Os gulags da Coreia do Norte existem em um mundo estranho de segredo e mistério. Ninguém sabe ao certo quantos milhares ou milhões estão trancados nos campos, os quais oficialmente não existem, e informações sobre o que se passa lá podem ser escassas. Mas podemos observar o crescimento dos campos graças aos satélites, onde são tão claros e visíveis publicamente que estão marcados no Google Maps, e estamos aprendendo mais o tempo todo a partir dos relatos de desertores e fugitivos que fogem do Reino Eremita.

Aqui está um guia para os conceitos básicos dos infames campos de trabalho  da Coreia do Norte: como eles funcionam, quem é enviado para lá, e por que esses abusos monstruosos dos direitos humanos continuam.

Gulags da Coreia do Norte: o básico

Screen_Shot_2014-10-26_at_1.54.35_PM.0
O prisioneiro e fugitivo norte-coreano Kim Kwang-il fez este esboço a retratar suas condições de vida no gulag. (Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos)

Coreia do Norte opera quatro grandes campos de trabalho para presos políticos – instalações do porte de cidades e instalados nas frígidas montanhosa do país. A maioria dos presos são enviados para cumprir prisão perpétua, como punição por deslizes menores, ou porque um parente cometeu algum delito. Eles são submetidos a trabalho árduo, a rotina de tortura e fome o medo constante da execução arbitrária e aqueles nas condições mais esquálidas não sobrevivem mais do que 45 anos.
Estes gulags – que são separados dos sistemas prisionais mais convencionais do país – abrigam cerca de 100 mil pessoas ou mais, incluindo muitas mulheres e crianças. Muitas vezes, famílias inteiras são enviadas por causa da ofensa de um só membro, através de duas ou três gerações. Às vezes, os presos não terão nenhuma ideia por que estão lá, ou nunca vão conhecer o parente pelo qual são punidos com uma vida de tortura e desnutrição.

O que os piores abusos dos direitos humanos na terra fazem

satellite-page-4.0
Vista por satélite do campo 15 (Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos)

Um relatório das Nações Unidas chamou os acampamentos de “um abuso dos direitos humanos sem qualquer paralelo no mundo contemporâneo”. Ser enviado para os campos é uma sentença de morte, que pode levar vários anos ou décadas torturantes para se realizar. Os tormentos dos gulags são, em muitos aspectos, um microcosmo mais grave da Coreia do Norte fora dos campos.
Os presos não recebem comida suficiente para sobreviver, forçando-os a se virar um contra o outro – ou ter favores de alguma forma com os guardas – para garantir o suficiente para comer. Recebem duros trabalhos, como a mineração de carvão, sem equipamento adequado ou ventilação. Mulheres e meninas estão sujeitas a estupro e abuso sexual por guardas.
Como as sentenças duram gerações isso significa que algo de semelhante a famílias formam-se muitas vezes nos campos, os presos vivem com o medo de que eles serão torturados ou mortos por crime de um membro da família – e muitas vezes são forçados a trair a sua própria família para sobreviver. Todos os presos, desde crianças até as mães grávidas, convivem com o medo constante da execução arbitrária, seja por cometeram ofensa, ou deixar cair uma peça de equipamento, ou por nenhuma razão aparente.

Por que isso está acontecendo: o controle pelo medo

125683095.0
Kim Young Soon, que morou em um campo político norte-coreano por nove anos, chora enquanto testemunha perante o Congresso. (Saul Loeb / AFP / Getty)

Os acampamentos são uma extensão do Estado policial totalitário da Coreia do Norte, a intenção de exercer o controle total e inculcar a obediência completa. Esse estado policial começa nas casas, cada uma das quais é obrigada a ter retratos do líder Kim Jong Un e são equipadas por um rádio – impossível de desligar – que transmite propaganda do estado. Bairros e conjuntos habitacionais têm agentes políticos formais, geralmente do sexo masculino, e monitores políticos informais, geralmente do sexo feminino, que informam sobre a menor brecha.
Subjacente a tudo isso está a ameaça do gulag: um destino pior que a morte pela simples execução ou inanição. Os acampamentos são destinadas a aterrorizar os norte-coreanos não apenas em conformidade, mas pela colaboração ativa, informando sobre vizinhos e familiares. É emparelhado com propaganda nacionalista que incute um amor de adoração do Estado e do líder Kim Jong Un.
Os acampamentos também desempenham um papel econômico, como fontes de mineração, exploração madeireira e agricultura.

O que o mundo pode fazer sobre isso: esperança para o colapso

462150311.0
O líder norte-coreano Kim Jong Un inspeciona tropas do Exército (KNS / AFP / Getty)

Há muito pouco que o mundo pode fazer, ou está disposto a fazer, para acabar com os acampamentos. O governo norte-coreano tenta distrair a atenção do mundo com o seu programa de armas nucleares e suas ameaças e ataques contra seus vizinhos, principalmente a Coreia do Sul, mas também no Japão; ele sabe que o mundo se preocupa muito mais sobre dissuadir um ataque nuclear norte-coreano de cerca de acabar com os gulags.
Esta é uma razão importante pela qual a Coreia do Norte se alterna periodicamente entre engajar-se em negociações nucleares e vociferantes provocações. Isso mantém o foco global sobre armas nucleares, e não sobre os abusos dos direitos humanos internos da Coreia do Norte, que considera cruciais para manter o controle.
Não há sinal algum de que a família Kim, que governou por três gerações, vai amolecer ou reformar esses abusos. Nem há qualquer chance de que o mundo vai forçá-los a parar: a dissuasão nuclear da Coreia do Norte torna isso impossível. Perversamente, o “melhor” que podemos esperar é que o governo caia ou seja derrubado a partir de dentro, o que sem dúvida seria catastrófico, mas pelo menos poderia significar o fim do sistema mais cruel de abusos dos direitos humanos no mundo.

Correção: Este artigo originalmente afirmou que a Coreia do Norte opera seis gulags. De fato, como Curtis Melvin do Instituto americano na Coreia do Sul relatou, a Coreia do Norte recentemente fechou os campos 18 e 22, como parte de sua aparente consolidação de prisioneiros em outros campos, o que significa que atualmente opera quatro. Agradecimentos a Curtis por apontar isso.


Fonte: http://www.vox.com/2014/10/27/7073029/north-korea-gulags-prison-camps-explainer
Tradução: Emerson de Oliveira
Blog Widget by LinkWithin

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Este Blog é voltado para defesa da Família Mundial Cristã. Denunciamos os ataques dos Ativistas Homossexuais a nível Internacional, deixando claro que amamos a pessoa que está Homossexualizada e pode receber libertação, desde que o queira. Somos contra a PL 122 e o Kit-Gay, que quer retirar nossas crianças do nosso poder para o Estado Socialista-Marxista-Comunista doutrinando-as e fazendo nelas uma lavagem cerebral homossexual.

Assista estes vídeos que entenderá nossa proposta:

http://www.youtube.com/watch?v=suxtZAXtqng

http://www.youtube.com/watch?v=dIKS2jC-Tvo

Serão deletados todos comentários Racistas, Difamatórios, Anti-Cristãos enfim, que não se coadunem com a linha editorial saudável seguida por este Blog. Deus abençoe aos que contribuirem para um debate construtivo e democrático. Use sua criatividade e inteligência e deixe um comentário marcante, honesto e justo, que revele SOMENTE A VERDADE.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...